Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

O governo da dignidade chegou à Colômbia

Francia Márquez obrigou o sistema e as estruturas partidárias a olharem novamente para as camadas populares, obrigou a esquerda tradicional a entender que as diferenças não são para serem superadas, senão para aprender e fortalecer-nos

Francia Márquez, vice-presidente eleita da Colômbia

Foto: Imagem: Reprodução/Twitter

24 de junho de 2022

Gustavo Petro e Francia Márquez: um respiro, a possibilidade de ir para a cama com a certeza de ter dado o passo para que a notícia do dia seguinte não seja a morte. Onze milhões e duzentos mil votos localizados na costa do Pacífico, na costa caribenha, em parte da Amazônia colombiana e em Bogotá, que falam de reconciliação com outros dez milhões, com agulha e linha querem refazer uma bandeira que não abraçou-nos a todos igualmente. O caminho tem sido longo e a vida de muitas pessoas tem sido uma semente para inspirar, insistir e resistir. 

Há quarenta anos, a guerrilha do M-19 se desmobilizou, dando progressão a um cenário constituinte que abriu brechas na estrutura monolítica da administração do país dividida entre o partido conservador e o partido liberal. O assassinato sistemático de candidatos de esquerda terminou em 19 de junho, com a eleição de Gustavo Petro Presidente e Francia Elena Márquez como vice-presidente.

Estamos enchendo os pulmões de ar, sente-se no ar um tímido alívio, a possibilidade de que mortes violentas causadas pelo racismo ambiental se expressem na desnutrição, na ausência de serviços públicos, pela defesa do território e da natureza, pela acumulação de capital legal e ilegal, pela força pública e paramilitar narcotraficante, sendo confrontada, presa, desmontada.

As forças políticas do momento fazem sua obrigação, cuidam da distribuição do país, da Frente Ampla, do Pacto Histórico e do movimento Sou Porque Somos, que é o movimento do vice-presidente. Entre algumas medidas para materializar a justiça: econômica, ambiental, de gênero, territorial estão a atribuição de uma pensão a mais de 5 milhões de idosos, a implementação de acordos de paz e negociações com todos os grupos fora da lei, educação pública e de qualidade até a universidade, autonomia territorial, garantir a segurança alimentar por meio de um melhor aproveitamento de 15 milhões de hectares improdutivos, garantias não discriminatórias para a economia popular juntamente com políticas de industrialização, retirando o monopólio de aquisição de alimentos do sistema financeiro habitacional, questões de acesso real à justiça garantindo que juízes e magistrados são realmente honestos e independentes, medidas para enfrentar as mudanças climáticas, implementando o sistema de saúde e cuidados integral como garantia de capilarização e reconhecimento do que fazer para avançar nas políticas públicas.

Angela Davis diz que quando uma mulher negra se move, o mundo se move, Francia Márquez obrigou o sistema e as estruturas partidárias a olharem novamente para o mundo que existe abaixo, as camadas populares, obrigou a esquerda tradicional a entender que as diferenças não são para serem superadas, senão para aprender e fortalecer-nos. A esquerda precisa de humildade para aprender com as lutas antirracistas, indígenas, femininas, juvenis e ambientais. As expressões dessas lutas são pilares de transformação, modos de organização e experiências de diferentes formas e mundos. A Francia Marquez, nossa irmã livre da máquina e da lógica patronal, livre de pensamento e ação, assumirá a direção de uma nova pasta, o Ministério da Igualdade e da Mulher. Temos o desafio de estar junto dela, pois o Estado como instituição se desenha a partir da direita e do individualismo, reimaginando instituições para a coletividade, para o desmonte das operações racistas, machistas, misóginas, competitiva é um desafio e tanto, e mais ainda quando nos colocam para lutar em tempos recordes.

Temos desafios: descentralizar e reinstitucionalizar o que foi destruído nos cinco governos anteriores, acabar com a privatização em todos os “serviços”, rever o funcionamento da justiça que criminaliza o pleno exercício do direito a se manifestar e protestar, proteger a os plebiscitos e a opinião popular, erradicar a intervenção militar como resposta ao risco, materializar os acordos firmados com os parcerias territoriais e regionais, e longe de homogeneizar e liderar, temos o desafio de estabelecer um poder popular, onde o que é do povo não tem donos e se alimenta de uma infinidade de heranças de resistência, de práticas cotidianas para a re-existência que é uma porta aberta para o mundo inteiro, para a sexta região.

Leia mais: Francia Márquez: a ativista que pode se tornar a primeira vice-presidente negra da Colômbia

*Yannia Sofía Garzón Valencia é colombiana, militante panafricanista e feminista

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano