Pesquisar
Close this search box.

Cuba envia médicos para ajudar vítimas de furacão em Moçambique

25 de março de 2019

País africano foi atingido pelo ciclone Idai, que deixou milhares de mortos e desabrigados 

Texto / Simone Freire

Imagem / Ismael Francisco / Cubadebate

Com milhares de pessoas mortas e cerca de 110 mil desabrigados, Moçambique tenta superar as consequências da passagem do furacão Idai, que também atingiu o Zimbábue e o Malawi, na costa sudeste da África.

Para reforçar a ajuda humanitária que está sendo enviada a estes países, Cuba – referência em medicina no mundo – enviará médicos para Moçambique, segundo anunciou a vice-chanceler de Cuba, Anayansi Rodríguez Camejo.

Apoio médico, equipamentos essenciais e profissionais devem se juntar aos 372 colaboradores que já estão no país.

“Expressamos nossas mais profundas condolências, simpatia e solidariedade com o governo e povo da República de Moçambique”, declarou Gladys Bejerano Portela, vice-presidente do Conselho de Estado e Controladoria Geral da República cubana.

Rastro

O furacão Idai atingiu os países na quinta-feira (14) e deixou um rastro de destruição. A Organização das Nações Unidas (ONU) acredita que essa tenha sido a maior tragédia da história do hemisfério sul relacionada ao clima.

Segundo a organização, o ciclone já deixou mais de 700 mortos nos três países. A Cruz Vermelha informou que mais de 90% da cidade da Beira, capital da província moçambicana de Sofala, ficou destruída após sua passagem

Online

Nas redes sociais a ajuda de Cuba foi ironizada no Twitter. Para os internautas, os países africanos não recebem mais ajuda ou atenção da mídia porque não tem petróleo.

*Com informações de Cubadebate.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano