Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Negociação de cessar-fogo em Gaza será retomada no Cairo, diz mídia do Egito

Ataques de Israel contra palestinos em Gaza já deixaram mais de 32 mil mortos enquanto cresce o apelo internacional por um cessar-fogo. Diversas organizações e lideranças mundiais têm acusado o governo israelense de praticar um genocídio na região.
Uma criança palestina desabrigada solta pipa usando uma pulseira com a bandeira de seu país na fronteira com o Egito, em Rafah, sul da Faixa de Gaza, 28 de março de 2024

Foto: Said Khatib/AFP

31 de março de 2024

As negociações destinadas a mediar um cessar-fogo entre Israel e o Hamas na Faixa de Gaza serão retomadas no Cairo neste domingo (31), segundo publicou o canal egípcio Al-Qahera, dias após o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, ter dado luz verde para novas negociações. O premiê aprovou que novas conversas ocorram no Cairo e em Doha, no Catar.

“Uma fonte de segurança egípcia confirmou ao Al-Qahera News a retomada das negociações sobre uma trégua entre Israel e o Hamas na capital egípcia, Cairo, amanhã”, disse um âncora do canal, que é próximo dos serviços de inteligência do país, durante uma transmissão no sábado (30).

O Egito, o Catar e o principal aliado israelense, os Estados Unidos, mediaram rodadas anteriores de negociações, mas um acordo viável permaneceu indefinido. Os mediadores esperavam garantir um cessar-fogo ainda antes do início do Ramadã, mas não houve acordo. O mês sagrado muçulmano teve início em 10 de março.

A pressão por um cessar-fogo ocorre tanto dentro do país, com protestos frequentes contra o governo Netanyahu, quando internacionalmente. No sábado (30), em declaração conjunta, os ministros das Relações Exteriores de Egito, Jordânia e França condenaram as ações de Israel em Gaza e pediram um cessar-fogo “imediato e permanente” na região. O chanceler francês, Stephane Sejourne, afirmou que Paris deve entrar com uma resolução no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) a fim de encaminhar uma solução de dois Estados para o conflito.

Da esquerda à direita, o chanceler da Jordânia, Aman Safadi, o chanceler do Egito, Sameh Shoukry, e o chanceler francês, Sephane Sejourne, durante coletiva de imprensa na capital egípcia, Cairo, 30 de março de 2024
Da esquerda à direita, o chanceler da Jordânia, Aman Safadi, o chanceler do Egito, Sameh Shoukry, e o chanceler francês, Sephane Sejourne, durante coletiva de imprensa na capital egípcia, Cairo, 30 de março de 2024 (Khaled Desouki/AFP)

Na segunda-feira, o próprio Conselho de Segurança adotou uma resolução exigindo um “cessar-fogo imediato” em Gaza, e um tribunal da ONU ordenou, na quinta-feira (28), que Israel “garantisse que a assistência humanitária urgente” chegue aos civis na região. Apesar disso, nenhuma das medidas surtiu efeito concreto.

Os ataques de Israel contra Gaza tiveram início após um atentado do Hamas, em 7 de outubro de 2023, deixar cerca de 1.160 mortes em Israel. A resposta israelense já acumula 32.705 mortes de palestinos, a maioria civis, mulheres e crianças. Além de bombardeios, Israel impõe um bloqueio à região, tendo como resultado a escassez de itens básicos na população local, como água, alimentos e medicação. Diante da situação, Israel tem sofrido crescentes acusações de apartheid e genocídio por lideranças mundiais.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano