Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

África do Sul comemora decisão em Haia: ‘Não hesitaremos no nosso compromisso com o povo palestiniano’

Israel ataca o território palestino, em especial a Faixa de Gaza, desde outubro de 2023
Ativista pró-palestina segura um cartaz com os dizeres "fim do apartheid israelense já", em protesto contra as suas operações militares em Gaza, em 26 de janeiro de 2024.

Foto: Davide Longari / AFP

27 de janeiro de 2024

Em veredito histórico, a Corte Internacional de Justiça (CIJ), principal órgão judicial da Organização das Nações Unidas (ONU), decidiu que Israel deve tomar as medidas cabíveis para “prevenir um genocídio” na Faixa de Gaza e permitir o acesso de ajuda humanitária na região. 

A sentença, que decidiria pela continuidade ou não do processo, foi lida na sede do tribunal, em Haia, na Holanda. Por outro lado, a sentença definitiva que deve analisar se Israel comete ou não genocídio em Gaza ainda não tem previsão para se pronunciar.

O processo foi aberto após pedido da África do Sul em dezembro do ano passado. A ação acusa Israel de violar a Convenção das Nações Unidas sobre o crime de Genocídio, tipificado em 1948, por conta da ação militar contra a Palestina, em especial a Faixa de Gaza, desde outubro de 2023.

Na época da solicitação, o país africano alegou que Israel não têm respeitado o tratado elaborado após o Holocausto. O documento torna crime qualquer tentativa de destruir um povo, no todo ou em parte dele.

Após o resultado, o governo da África do Sul comemorou a decisão da Corte Internacional de Justiça. “O dia de hoje marca uma vitória decisiva para o Estado de direito internacional e um marco significativo na busca por justiça do povo palestino”, comentou o Ministério das Relações Exteriores sul-africano. 

Os altos escalões do partido no poder, Congresso Nacional Africano, explodiram em aplausos, cantando e dançando depois que os juízes leram a ordem. Para o presidente Cyril Ramaphosa, a expectativa é que a decisão leve a um cessar-fogo na Faixa de Gaza. 

“Hoje, Israel está perante a comunidade internacional, com os seus crimes contra os palestinianos expostos”, disse Ramaphosa num discurso televisivo à nação. “Não hesitaremos no nosso compromisso com o povo palestiniano e na sua busca pela autodeterminação.”

“Alguns nos disseram que deveríamos cuidar da nossa vida e não nos envolver nos assuntos de outros países. Outros disseram que não era nossa função. No entanto, é o nosso lugar, como pessoas que conhecem demasiado bem a dor da expropriação, da discriminação e da violência patrocinada pelo Estado. […] A nossa dolorosa história não nos obriga a fazer nada menos”, disse ele, referindo-se à vida sob o antigo regime do apartheid da África do Sul. 

Segundo informações da AFP, o ministro das Relações Exteriores da Autoridade Palestina, Riyad al Maliki, também se posicionou sobre o resultado. “A ordem da CIJ [Corte Internacional de Justiça] é um lembrete importante de que nenhum Estado está acima da lei”, pontuou.

Pelo menos 26.083 palestinos, cerca de 70% deles mulheres, crianças e adolescentes, foram mortos na Faixa de Gaza em bombardeios israelenses e em ofensivas terrestres desde então, conforme o Ministério da Saúde do país.

  • Mariane Barbosa

    Curiosa por vocação, é movida pela paixão por música, fotografia e diferentes culturas. Já trabalhou com esporte, tecnologia e América Latina, tema em que descobriu o poder da comunicação como ferramenta de defesa dos direitos humanos, princípio que leva em seu jornalismo antirracista e LGBTQIA+.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 152

EP 151

Cotidiano