Pesquisar
Close this search box.

Cooperativa de catadoras de lixo organiza campanha de financiamento

20 de dezembro de 2017

Cooperativa formada por mulheres negras se organiza para pagar dívidas e documentos. Problemas financeiros são frutos de dificuldades encontradas pela cooperativa no diálogo com a prefeitura de São Paulo.

Texto e Imagem / Divulgação

O Alma Preta publica a carta escrita pelas catadoras da Cooperativa Granja Julieta, Nossos Valores. Colabore com a campanha de financiamento coletivo. Segue o texto abaixo.

Desde 2002, existe a Cooperativa Granja Julieta, Nossos Valores. Somos catadoras negras, em situação de rua e ex-presidiárias que coletam lixo em São Paulo. Lutamos por dignidade e renda da nossa população. O nosso trabalho significa nossa sobrevivência, nossa ressocialização e nosso empoderamento. Caminhamos sem ser vistas pela cidade, mas cumprimos um papel socioambiental. A gestão de Dória mantém duas centrais de reciclagem que impedem que o lixo chegue até nós. Antes era possível coletar 100 ton/mês. Hoje só 20. Além disso, 3 dos 4 caminhões que tínhamos pra trabalhar foram tomados pela Prefeitura com a justificativa de que não existem recursos públicos pra isso. Isso massacra nosso trabalho! Precisamos de apoio para construir autonomia nesse cenário de cortes de gastos estatais.

Não queremos fechar, não queremos parar a luta. Por isso temos hoje uma dívida e, mesmo sem condições de custear nosso transporte e nossa alimentação, continuamos a coletar, reciclar, puxar carroça e correr atrás.

Esse valor será usado pra pagar:

– a dívida com o INSS;

– a dívida com a padaria;

– as certidões negativas de débito municipal, estadual e federal;

– os honorários do contador para regularizar a situação.

Se nós fôssemos colocar aqui os gastos que precisamos para trabalhar com mais dignidade, a meta seria muito mais alta. Nosso objetivo aqui é não fechar por enquanto. É manter em movimento a geração de trabalho e renda de 70 mulheres que dependem disso pra viver.

Contribuir é dizer não ao massace conservador que sufoca iniciativas populares que garantem a dignidade da população mais vunerável do Brasil: mulheres negras.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano

Na ONU, Brasil reafirma compromisso com a pauta racial no combate à violência

Mais de 80% dos modelos de campanhas publicitárias brasileiras são brancos, aponta estudo

O Quilombo

Aprovação do Dia Nacional do Funk é marco contra marginalização

Independência, liberdade e escravidão na Argentina

Clima e Meio Ambiente

Programa capacita lideranças das periferias do Rio para debates sobre questão climática

Território brasileiro pegou fogo em um a cada quatro hectares nos últimos 40 anos