Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Crianças racializadas são mais propensas a problemas de desenvolvimento infantil

Pesquisa da FioCruz indica diferença de peso e altura ideais entre crianças brancas, pretas e indígenas.
Duas meninas negras andando em uma ponte

Foto: Reprodução / Pixabay

5 de março de 2024

Uma pesquisa divulgada na revista periódica BMC Pediatrics indica que o desenvolvimento infantil pode ser afetado pela raça ou etnia das crianças.

O estudo, do Centro de Integração de Dados e Conhecimento para Saúde (Cidacs/Fiocruz Bahia), sugere que a cor interfere na trajetória de ganho de peso e de crescimento infantil.

O levantamento revelou que filhos de mães pretas, pardas e indígenas possuem maiores dificuldades para atingir a média de peso para a idade. 

Características de magreza foram mais prevalentes entre crianças pardas e pretas, em 5,52% e 3,91%, e indígenas em 4,20%. Para os filhos de pessoas brancas, a porcentagem foi de 3,91%.

O estudo também avaliou os padrões de baixa estatura e baixo peso para a idade entre diferentes grupos etnorraciais. Os resultados demonstraram uma maior incidência em crianças indígenas, apresentando uma taxa de 26,71% para baixa estatura e 5,90% para baixo peso. Em comparação, crianças brancas pontuaram 8,61% e 2,48%.

Depois das crianças indígenas, as crianças pardas, com descendência asiática e pretas pontuaram os menores índices de crescimento e peso ideal.

Para a autora do artigo, Helena Benes, esses índices podem ser relacionados com “uma série de fatores decorrentes do impacto persistente do racismo estrutural em nossa sociedade”, comenta, em entrevista à FioCruz.

O racismo pode influenciar desde o acesso desigual a oportunidades de trabalho e educação até o nível de estresse enfrentado em diferentes comunidades”, completa Helena. 

A pesquisadora ainda acredita ser necessário criar medidas governamentais de combate ao racismo para enfrentar essa realidade.

  • Verônica Serpa

    Graduanda de Jornalismo pela UNESP e caiçara do litoral norte de SP. Acredito na comunicação como forma de emancipação para populações tradicionais e marginalizadas. Apaixonada por fotografia, gastronomia e hip-hop.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano