Pesquisar
Close this search box.

Entenda as diferenças entre refugiados, migrantes e apátridas

Direitos, obrigações e proteção do Estado mudam de acordo com a categoria; entenda
Há mais de 140 mil refugiados no Brasil, cerca de 1,5 milhão de migrantes e 4,4 milhões de apátridas no mundo.

Foto: Reprodução/AFP

4 de julho de 2024

O relatório “Refúgio em Números” aponta que o Brasil encerrou 2023 com um total de 143.033 indivíduos oficialmente reconhecidos como refugiados. Logo, está cada vez mais comum ver os termos ‘refugiado’ e ‘migrante’ confundidos, tanto nos discursos da mídia, quanto no público em geral. Mas há diferença entre eles. 

O Acnur (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados) afirma que refugiados são pessoas que deixam tudo para trás para escapar de conflitos armados ou perseguições. Em muitos casos, a situação é tão grave que essas pessoas são forçadas a atravessar fronteiras internacionais em busca de segurança nos países vizinhos, tornando-se “refugiados” reconhecidos internacionalmente com acesso à assistência de outros Estados e organizações.

Os migrantes, por outro lado, optam por se mudar não por causa de uma ameaça direta de perseguição ou morte e sim, principalmente, para melhorar suas vidas em busca de trabalho, educação, reagrupamento familiar, ou por outras razões. Ao contrário dos refugiados, que não podem regressar ao seu país de origem, os imigrantes continuam a se beneficiar da proteção do seu governo. Segundo informações da Câmara dos Deputados, há cerca de 1,5 milhão de migrantes no Brasil.

Para os governos, estas diferenças são cruciais, segundo o Acnur. Os países tratam os migrantes de acordo com as suas próprias leis e procedimentos de imigração, ao mesmo tempo que tratam os refugiados aplicando as normas de alojamento e proteção dos refugiados estabelecidas na legislação nacional e internacional.

Por outro lado, existe uma terceira categoria da qual raramente se fala: os apátridas, pessoas cuja nacionalidade não é reconhecida por nenhum país. A apatridia ocorre por muitas razões, tais como a discriminação contra as minorias na legislação nacional, a incapacidade de reconhecer todos os residentes de um país como cidadãos quando esse país se torna independente (separação do Estado) e o conflito de leis entre países.

A apatridia é muitas vezes vista como um problema invisível, pois essas pessoas podem não conseguir ir à escola, consultar um médico, arranjar um emprego, abrir uma conta bancária, comprar uma casa ou mesmo se unir em casamento.  De acordo com o Acnur, pelo menos 4,4 milhões de pessoas em 95 países são consideradas apátridas ou de nacionalidade indeterminada.

  • Caroline Nunes

    Jornalista, pós-graduada em Linguística, com MBA em Comunicação e Marketing. Candomblecista, membro da diretoria de ONG que protege mulheres caiçaras, escreve sobre violência de gênero, religiões de matriz africana e comportamento.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano

Na ONU, Brasil reafirma compromisso com a pauta racial no combate à violência

Mais de 80% dos modelos de campanhas publicitárias brasileiras são brancos, aponta estudo

O Quilombo

Aprovação do Dia Nacional do Funk é marco contra marginalização

Independência, liberdade e escravidão na Argentina

Clima e Meio Ambiente

Programa capacita lideranças das periferias do Rio para debates sobre questão climática

Território brasileiro pegou fogo em um a cada quatro hectares nos últimos 40 anos