Pesquisar
Close this search box.

Falta de dados dificulta aumento de pessoas negras na magistratura, aponta pesquisa

Estudo da FGV revela desafios na aplicação de políticas de cotas e falta de transparência em dados sobre diversidade étnico-racial na magistratura brasileira
Imagem de um homem negro manuseando uma balança, símbolo da magistratura brasileira. Segundo pesquisa, a falta de dados sobre pessoas negras impacta diretamente a diversidade étnico-racial no magistrado.

Foto: Reprodução

18 de maio de 2024

A Escola de Direito de São Paulo (FGV Direito SP) lançou a pesquisa “Operacionalizando a equidade racial no Poder Judiciário: uma análise da implementação da Resolução nº 203/2015 do Conselho Nacional de Justiça”, que investiga o impacto das medidas adotadas para fomentar a diversidade racial entre os quadros da magistratura.

O estudo concentrou-se na Resolução nº 203 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), promulgada em 2015, que determinou a reserva de 20% das vagas para pessoas negras nos concursos de carreira. Além disso, foram examinados os editais de concursos para magistratura do trabalho, estadual e federal, visando compreender a aplicação da Resolução do CNJ em termos de ingresso de pessoas negras no Poder Judiciário.

Uma das preocupações apontadas pelas pesquisadoras do Núcleo de Justiça e Constituição e Núcleo de Justiça Racial e Direito, vinculados à FGV Direito SP, é a falta de dados sobre o perfil étnico-racial de um alto número de magistrados/as nas esferas trabalhista, estadual e federal.

Luciana de Oliveira Ramos, uma das coordenadoras do projeto, destacou que essa ausência de informações dificulta a criação de políticas de acompanhamento dos candidatos que ingressam pelo sistema de cotas. O relatório ressaltou que, embora tenham havido avanços na presença negra na magistratura com a Resolução, o CNJ ainda não consegue monitorar diretamente os sistemas de gestão de pessoal dos tribunais brasileiros.

Além disso, a pesquisa apontou que as informações sobre cotas nos editais de concursos, a partir de 2015, são escassas ou pouco transparentes. A falta de acesso à informação, segundo o relatório, dificulta o controle e a fiscalização do funcionamento do Estado e da gestão pública.


Outro aspecto destacado foi a dificuldade de acesso às informações disponibilizadas pelos tribunais, sendo necessário recorrer a fontes externas para análise. Além disso, o estudo evidenciou a falta de percepção sobre a equidade racial e as desigualdades existentes na magistratura.

  • Giovanne Ramos

    Jornalista multimídia formado pela UNESP. Atua com gestão e produção de conteúdos para redes sociais. Enxerga na comunicação um papel emancipatório quando exercida com responsabilidade, criticidade, paixão e representatividade.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano