Pesquisar
Close this search box.

“Fui difamado como se fosse ladrão”, diz jovem confundido com golpista na internet

Bruno Machado, de 28 anos, teve sua foto utilizada por um homem que aplica golpes na internet; Nas redes sociais, uma das vítimas expôs sua imagem como ladrão e ele passou a ser ameaçado

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Lenne Ferreira | Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal

Jovem é ameaçado depois de ter foto usada por golpista

28 de outubro de 2021

“Eu fiquei muito em choque”. O desabafo é do autônomo Bruno Machado, de 28 anos, que viu a sua vida virar de ponta cabeça depois de ter sido vítima de difamação e ameaça na internet. Em conversa com a Alma Preta Jornalismo, Bruno conta que tudo começou na madrugada da última terça-feira (26), quando conhecidos e amigos enviaram o print do perfil de uma mulher que afirmou ter sido vítima de uma fraude após a venda de um celular. Nas redes sociais, Bruno percebeu que a sua foto tinha sido usada por um golpista.

“Um golpista estava usando minha foto em um número de Whatsapp para fraudar pessoas. Uma das vítimas decidiu expor minha imagem e pedir compartilhamento para as pessoas dizendo que roubei ela”, conta.

Mesmo após ter entrado em contato com a mulher para tentar provar a sua inocência e dizer que a sua foto estava sendo utilizada por outra pessoa, Bruno diz que continuou sendo acusado. “Entrei em contato com a mesma pra poder tentar provar minha inocência mas ela tava persistindo que eu era ladrão”, diz Bruno, que também passou a receber ameaças de um amigo da mulher. “Ele começou a dizer que sabia onde eu morava, queria que eu devolvesse o dinheiro e o celular, sendo que eu não fiz nenhum dos dois até porque não fui eu”.

Leia também: Após testemunhar crime de latrocínio, homem negro vira suspeito e é preso

O jovem, que trabalha como autônomo, lançou uma mobilização na internet, junto com amigos e conhecidos, para se defender. Com isso, a mulher o procurou e pediu desculpas. Ela explicou que foi vítima de um golpe depois que um rapaz a procurou para comprar um celular. Toda a transação foi feita através de aplicativo de entrega e a única informação que ela tinha do golpista era o número de telefone, a foto e o nome, que não era o de Bruno. “Sei que ela sofreu golpe, mas ela também me difamou, esse foi o erro dela”.

Apesar das desculpas, ele diz que ela não se retratou nas redes sociais e se diz preocupado com a sua segurança, já que a sua imagem viralizou sendo vinculada ao suposto golpista.

“O que me preocupa é a minha imagem, a minha reputação […] Ela pode ter apagado, mas e as pessoas que compartilharam depois dela? E as outras? Eu fico com receio demais até de andar na rua agora. Eu já não estava andando, não estava saindo, agora ainda mais que a gente sabe como as coisas estão”.

Bruno informou que já abriu um boletim de ocorrência e o caso foi registrado como ameaça e difamação na 7ª Delegacia da Polícia Civil do Rio Vermelho, em Salvador. “Só estou esperando chegar o B.O. para poder ver outras medidas que eu poderia tomar”, completa.

  • Dindara Paz

    Baiana, jornalista e graduanda no bacharelado em Estudos de Gênero e Diversidade (UFBA). Me interesso por temáticas raciais, de gênero, justiça, comportamento e curiosidades. Curto séries documentais, livros de 'true crime' e música.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano