Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

‘Não vou mudar para caber dentro da política’, diz Anielle Franco em ato de filiação ao PT

Ato simbólico de filiação contou com a presença de lideranças do partido, incluindo o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva (PT)
A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, posa para foto com apoiadores após evento de filiação ao PT, Rio de Janeiro, 2 de abril de 2024

Foto: Solon Neto/Alma Preta

3 de abril de 2024

Na terça-feira (2), a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, anunciou sua filiação ao Partido dos Trabalhadores (PT) durante evento no Rio de Janeiro. O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), participou do evento e assinou a carta de filiação da ministra em frente ao público presente. Além de Anielle Franco, outras duas mulheres também foram filiadas ao partido na cerimônia, Camila Moradia, Cátia Vieira e Fabíola Oliveira.

Em seu discurso, Lula teceu comentários sobre o quadro político atual e sinalizou que Anielle não deve ser candidata em 2024. Já a ministra, defendeu a renovação política do Rio de Janeiro e a ascensão de mulheres negras na política.

O ato simbólico de filiação lotou o Circo Voador, casa de shows na região da Lapa, no Centro do Rio de Janeiro. O evento contou com a presença de diversas lideranças. Além de Lula e da primeira-dama, Janja da Silva, estiveram presentes a deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ), a presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Aloizio Mercadante, e o presidente do Instituto Brasileiro de Turismo, Marcelo Freixo.

‘Não vou mudar para caber dentro da política’

A ministra Anielle Franco deu início ao seu discurso com uma quebra de protocolo, saudando primeiro seus familiares que estavam no palco: Marinete da Silva (mãe), Antônio Francisco da Silva Neto (pai) e Luyara Santos (sobrinha).

Em seu discurso, a ministra apontou que é necessário levantar propostas para mudar o quadro de violência no Rio de Janeiro, saudou a memória de sua irmã, Marielle Franco, e afirmou que o crescimento das mulheres negras na política precisa ser aceito pelo campo político.

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, discursa durante evento de filiação ao PT, Rio de Janeiro, 2 de abril de 2024
A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, discursa durante evento de filiação ao PT, Rio de Janeiro, 2 de abril de 2024 (Solon Neto/Alma Preta)

“Não vou mudar para caber dentro da política. A política precisa entender e aceitar os nossos corpos da maneira que nós somos. Eu não chego nesse lugar sozinha, a gente chega aqui muito bem organizadas. Não adianta querer mudar como a gente fala, como a gente se veste. Não adianta reclamar da maneira que a gente sorri, da maneira que a gente faz política. A gente faz política com afeto. A gente é isso aqui e assim permaneceremos”, afirmou Anielle.

A ministra encerrou sua fala dizendo que está alinhada ao projeto petista, apontando que as linhas do partido são semelhantes às suas crenças políticas.

“Tentaram calar a minha irmã, mas a gente ressurgiu, ressignificou e refloresceu esse lugar. Estou em casa no partido dos trabalhadores e das trabalhadoras porque defendo a luta popular, defendo a democracia de qualidade e, acima de tudo, luto pelos nossos, luto coletivamente e não individualmente”, disse.

Anielle não será candidata em 2024, diz Lula

O presidente Lula fechou o ato com um discurso no qual exaltou a história do Partido dos Trabalhadores, descrito por ele como o “maior partido de esquerda democrático do mundo”. Lula demonstrou preocupação com ascensão da extrema-direita no mundo e afirmou que no Brasil há um cenário de luta política acirrada. “As pessoas não estão olhando a banda passar, não. As pessoas estão disputando cada milímetro”, alertou.

O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, discursa durante evento de filiação de Anielle Franco ao PT, Rio de Janeiro, 2 de abril de 2024
O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, discursa durante evento de filiação de Anielle Franco ao PT, Rio de Janeiro, 2 de abril de 2024 (Solon Neto/Alma Preta)

A filiação de Anielle ao PT gerou especulações de que ela sairia como candidata ainda nas eleições de 2024, o que foi negado durante o discurso de Lula. O presidente afirmou que a ministra não pretende participar do pleito e que deve concluir seu mandato à frente do Ministério da Igualdade Racial.

Lula também se referiu a Anielle como um exemplo de “militante aguerrido”, do tipo necessário para rejuvenescer o partido e enfrentar o atual quadro de disputa com a extrema-direita. O presidente fez apelos para que a ministra, a partir da filiação, participe da vida do partido de forma ativa e que considere se candidatar em breve a cargos políticos.

“Quero ajudar você a fazer esse partido ser cada vez mais forte, porque esse partido é um sustentáculo da democracia brasileira”, disse Lula.

  • Solon Neto

    Cofundador e diretor de comunicação da agência Alma Preta Jornalismo; mestre e jornalista formado pela UNESP; ex-correspondente da agência internacional Sputnik News.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano