Pesquisar
Close this search box.

Negros e pobres são os que mais morrem por doenças decorrentes de ondas de calor

Informação consta em estudo publicado pela UFRJ; pesquisador cita racismo ambiental
Mulher negra andando na rua durante forte onda de calor no Rio de Janeiro.

Foto: Tomaz Silva / Agência Brasil

31 de janeiro de 2024

Um novo estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) demonstra que a população pobre e negra são as mais afetadas pelas mortes por ondas de calor.  O estudo foi realizado pelo Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais (LASA), e publicado na revista científica “Plos One”.

Com o aumento dos eventos climáticos, as ondas de calor se tornaram mais intensas e prolongadas. Isso acentua os óbitos por doenças crônicas, como pneumonia e problemas cardíacos.

De acordo com a pesquisa, mulheres, idosos, pessoas pretas, pardas e com menores níveis educacionais representam o grupo de maior risco nesses casos.

O ensaio também sugere que as ondas de calor intensificam as desigualdades socioeconômicas do país.

Djacinto Monteiro, um dos pesquisadores do laboratório responsável pelo estudo, comentou sobre a necessidade de se pautar o racismo ambiental nas discussões climáticas.

“Esse resultado traz a importância de que, no contexto das mudanças climáticas, a gente fale sobre racismo ambiental e justiça ambiental”, comenta Djacinto em entrevista à Conexão UFRJ.

  • Verônica Serpa

    Graduanda de Jornalismo pela UNESP e caiçara do litoral norte de SP. Acredito na comunicação como forma de emancipação para populações tradicionais e marginalizadas. Apaixonada por fotografia, gastronomia e hip-hop.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano