Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Obesidade na população negra pode ter relação com racismo, aponta estudo

Segundo pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, estresse causado pela violência racial pode afetar o metabolismo
Imagem de um corpo negro com obesidade.

Foto: Reprodução/Pexels

29 de abril de 2024

Uma pesquisa conduzida por pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em Porto Alegre revelou que a obesidade na população negra pode ser diretamente influenciada pelo racismo. O estudo, publicado em fevereiro na revista acadêmica Public Health Nation, da Cambridge Core, aponta que a discriminação racial está associada a um estresse crônico, que por sua vez desencadeia alterações alimentares.

Realizado no Centro Histórico da capital gaúcha, o estudo ouviu 400 pessoas com idades entre 20 e 70 anos, provenientes de áreas vulneráveis e não vulneráveis. A pesquisa é pioneira no estado em abordar essa temática.

Raquel Canuto, professora do Programa de Pós-graduação em Alimentação, Nutrição e Saúde da universidade e uma das autoras do artigo, explica que o estudo adotou uma abordagem diferente, questionando diretamente os participantes sobre a cor da pele, ao invés de se basear em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os resultados indicam uma associação entre o racismo e a obesidade abdominal.

Canuto destaca que o racismo pode desencadear alterações neuroendócrinas e hormonais devido ao estresse crônico, o que pode afetar o metabolismo da gordura de forma distinta. O estudo também revelou que as pessoas mais sujeitas à discriminação racial tendem a apresentar obesidade geral e abdominal.

A metodologia da pesquisa consistiu em duas etapas: na primeira, os participantes responderam perguntas sobre seu consumo alimentar ao longo dos anos; na segunda, foram agrupados em diferentes categorias com base nesse consumo, utilizando uma técnica chamada análise de componentes principais.

O estudo baseou-se na Teoria Ecossocial, que explora como fatores externos, como injustiças sociais, podem afetar o corpo humano, contribuindo para problemas de saúde e até morte.


Texto com informações do GHZ Saúde.

  • Giovanne Ramos

    Jornalista multimídia formado pela UNESP. Atua com gestão e produção de conteúdos para redes sociais. Enxerga na comunicação um papel emancipatório quando exercida com responsabilidade, criticidade, paixão e representatividade.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano