Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

ONGs lançam documento com princípios para combate ao racismo ambiental

Material visa contribuir na elaboração e implementação de políticas públicas
A imagem mostra um local inundado, acontecimento recorrente em localidades que são alvo do racismo ambiental.

Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil

8 de março de 2024

Um conjunto de 19 organizações da sociedade civil lideradas pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) lançou um documento intitulado “Princípios e Diretrizes para o Enfrentamento ao Racismo Ambiental no Brasil”. O texto destaca a necessidade de garantir equidade nos aspectos de raça, etnia, gênero, classe e territorialidade nas políticas públicas relacionadas ao combate ao racismo ambiental.

Entre os pontos destacados no documento estão a utilização de indicadores raciais para avaliação e monitoramento das ações relacionadas ao tema, o investimento na participação social durante a execução dos planos de enfrentamento às desigualdades ambientais e mudanças climáticas, e a importância do protagonismo de movimentos sociais e organizações da sociedade civil nos conselhos de participação social.

Cristiane Ribeiro, membro do colegiado de gestão do Inesc, enfatizou que o combate ao racismo ambiental é uma questão global e estruturante, que requer ações coletivas e não se limita a medidas tomadas por um único país.

Ela ressaltou a importância de políticas públicas focadas na população negra, periférica, em territórios tradicionais, indígenas, quilombolas e camponeses, que são os mais afetados pelos eventos climáticos extremos.

O documento também destaca o papel fundamental desempenhado pelos povos indígenas, comunidades quilombolas e outros povos tradicionais na proteção dos territórios, das águas e das florestas, e os impactos do racismo ambiental em seus modos de vida, incluindo violações de direitos básicos como acesso à terra, água, saúde e educação.

Segundo Cristiane, políticas públicas eficazes para enfrentar a crise climática são urgentes e requerem medidas de curto, médio e longo prazos em âmbito local, regional e internacional. “A política internacional desempenha um papel determinante nas decisões dos Estados nacionais e das empresas”, acrescentou.
Para conferir o material na íntegra, acesse o link.

  • Giovanne Ramos

    Jornalista multimídia formado pela UNESP. Atua com gestão e produção de conteúdos para redes sociais. Enxerga na comunicação um papel emancipatório quando exercida com responsabilidade, criticidade, paixão e representatividade.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano