Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

PM ‘tiktoker’ pode ser afastado após vídeo com música sobre abordagens violentas

Promotor da Justiça Militar diz que conduta do policial na rede social será apurada; advogado avalia que conteúdo incentiva abordagens policiais racistas

Texto: Fernando Assunção | Edição: Nataly Simões | Foto: Reprodução/Redes Sociais

Imagem mostra uma selfie do agenda acusado de apologia a abordagens policiais violentas. Ele está fardado com capacete e aparece uma moto da PM ao fundo.

Foto: Foto: Reprodução/Redes Sociais

13 de setembro de 2023

O Ministério Público Militar (MPM) vai solicitar o afastamento do sargento Marcos Santos, identificado nas redes sociais como PM Marquinho Santos, atuante no município de Afuá, no Arquipélago do Marajó, no Pará. O policial viralizou no TikTok com música que faz apologia a abordagens violentas. O promotor de Justiça Militar, Armando Brasil, informou a Alma Preta que determinará a instauração de um inquérito policial militar para apurar o fato.

O agente de segurança pública soma quase 14 mil seguidores na rede social, onde compartilha seu cotidiano na Polícia Militar do Estado do Pará no município de 37 mil habitantes, segundo o Censo de 2022 do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE). No vídeo alvo do inquérito, o policial mostra uma ronda pelas ruas de Afuá, ao som de uma paródia da música “Posturado e Calmo” do cantor baiano Léo Santana.

A versão é de autoria do empresário e artista Jorge Music, de Recife (PE), que, ao que consta, não é policial. O influencer viralizou nas redes sociais com o personagem Capitão Pitomba, que faz sátira ao estereótipo violento dos PMs. Em um trecho da paródia, que descreve o que seria uma abordagem policial a um usuário de drogas, ele canta: “(…) Vou refrescar tua mente só com um ‘tapão’! A minha abordagem é sempre suave ‘pra’ cidadão de bem, ‘pra’ maconheiro não. É que a polícia ‘tá’ batendo, maconheiro apanhando (…)”.

O vídeo do PM de Afuá ao som da paródia acumula, até quarta-feira (13), 743 mil visualizações no TikTok, com 54 mil curtidas e 789 comentários, muitos dos quais exaltam o conteúdo da música.

Questionada pela reportagem, a Polícia Militar do Estado do Pará disse que “não compactua com desvios de conduta e com comportamentos que façam qualquer tipo de apologia ao crime”. Segundo nota enviada pela coorporação, um Inquérito Policial Militar (IPM) será instaurado para “avaliar a postura do agente”.

Conteúdo incentiva abordagens racistas

Para o advogado Alexandre Julião, a paródia da música, utilizada no vídeo do PM Marcos, incentiva a violência policial. “O conteúdo infringe o artigo 287 do Código Penal ao fazer apologia a fato criminoso. Isso porque o trecho que incentiva o ‘tapão’, por exemplo, faz apologia a abordagens policiais violentas, lesão corporal e, inclusive, apologia ao abuso de autoridade”, analisa.

De acordo com o Julião, o uso da força nas abordagens policiais também não deve ser empregado de acordo com o tipo do flagrante, a exemplo do porte de maconha, que é mencionado na música e sim pelas circunstâncias do caso.

“Em geral, a violência não é permitida durante as abordagens, mas é possível que os agentes usufruam da força, o que é diferente. Isso quer dizer que os policiais devem empregar medidas de acordo com a necessidade e periculosidade da situação. Exemplo, se durante a abordagem, o suspeito tenta atacar as forças policiais”, explica. “Mas,se uma pessoa está em flagrante e mantém a postura calma durante a abordagem, sem apresentar resistência, não há porque fazer uso de violência, render a pessoa ou, eventualmente, algemá-la”, complementa.

Ainda de acordo com o advogado, o conteúdo incentiva abordagens policiais racistas. “Isso ocorre por diversas razões. A gente já tem bem configurado que a polícia tem tendência a agir de forma mais violenta contra pessoas negras. Dados relacionadas à letalidade policial apontam que as maiores vítimas são jovens homens e negros. E esse tipo de conteúdo, assim como quem o compartilha, acaba sustentando a ação de policiais racistas”, conclui.

Descriminalização do porte de maconha

O Supremo Tribunal Federal (STF) discute a descriminalização do porte de maconha. Em julgamento no dia 24 de agosto, os ministros formaram maioria de 5 a 1 para que isso não seja crime e 6 a 0 acreditam que é possível diferenciar o usuário do traficante com base na quantidade de droga encontrada. A análise foi interrompida a pedido do ministro André Mendonça, que tem prazo de 90 dias para devolver o tema à pauta. Na prática, o supremo tem maioria para definir que pessoas flagradas com pequenas porções de maconha não devem ser tratadas como traficantes. Falta, ainda, decidir qual será essa quantidade-limite.

Atualmente, a legislação prevê penas alternativas para usuários de drogas. De acordo com o artigo 28 da Lei de Drogas (Lei nº 11.343/2006), porte para consumo pessoal incide em: advertência sobre os efeitos das drogas; prestação de serviços à comunidade; e medida educativa de comparecimento a programa ou curso educativo.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano