Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Protocolos garantem integridade de acervos do Arquivo Nacional após chuva forte no RJ

Mais de 18 mil caixas com documentos importantes foram realocadas para locais seguros da construção
A imagem mostra a fachada do prédio que abriga o Arquivo Nacional do Rio de Janeiro.

Foto: Reprodução

23 de janeiro de 2024

Um plano de ação elaborado após diálogo entre a Direção-Geral, a Diretoria de Gestão Interna (DGI) e a Diretoria de Processamento Técnico, Preservação e Acesso ao Acervo (DPT), garantiu a integridade dos acervos instalados na unidade do Arquivo Nacional do Rio de Janeiro após às chuvas fortes que atingiram a capital fluminense nos últimos dias.

O Plano de Controle de Riscos definiu protocolos necessários para orientação e articulação das equipes para prevenir e lidar com os efeitos da tempestade e das variações climáticas extremas. 

Por conta do grande volume de água da chuva na laje do complexo arquitetônico tombado que abriga o Arquivo Nacional, pode haver uma sobrecarga e risco de infiltração para as áreas internas do prédio. Após a retirada do excesso de água na parte superior da construção, a equipe de segurança e limpeza deram início à drenagem das poças nos blocos A, B, C e F.

Para prevenir que o acervo seja danificado, as atividades do plano de ação foram iniciadas ainda em novembro e mais de 18 mil caixas com documentos e escritos foram movimentadas para áreas seguras do prédio. O setor onde os registros estavam armazenados tinha risco de alagamento e milhares de documentos de valores inestimáveis poderiam ter se perdido

A Direção-Geral do Arquivo Nacional possui uma frente que trabalha na elaboração de projetos de Requalificação do Arquivo Nacional, tanto do Rio de Janeiro como em  Brasília, para a realização de obras estruturais para solucionar em definitivo os problemas relacionados ao desgaste dos edifícios. Há cerca de três décadas não há reparos nas construções, de acordo com a direção.

  • Patricia Santos

    Jornalista, poeta, fotógrafa e vídeomaker. Moradora do Jardim São Luis, zona sul de São Paulo, apaixonada por conversas sobre territórios, arte periférica e séries investigativas.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano