Pesquisar
Close this search box.

Após polêmica com escritoras negras, MinC amplia vagas do Prêmio Carolina Maria de Jesus

Ampliação foi anunciada após coletivo formado por escritoras negras apontar irregularidades na seleção e pedir a revogação do edital
Imagem mostra a escritora Carolina Maria de Jesus.

Foto: Audálio Dantas

24 de janeiro de 2024

O Ministério da Cultura (MinC) anunciou 12 novas vagas para escritoras negras no Prêmio Carolina Maria de Jesus de Literatura Produzida por Mulheres 2023. A quantidade total de premiadas passou de 61 para 73 escritoras. 

De acordo com o MinC, a ampliação do número de premiadas pretende valorizar a escrita literária no país, a efetividade das políticas afirmativas e a promoção da diversidade literária brasileira.

Com a mudança, as candidatas da categoria escritoras negras, que obtiveram nota máxima na premiação (30 pontos), passam à categoria “ampla concorrência”, sem alteração do resultado já divulgado. As 12 novas vagas devem ser preenchidas observando a ordem de classificação e os critérios de desempate previstos no edital. 

Agora, o número total de contempladas no Prêmio Carolina Maria de Jesus passa de 22 para 34 escritoras negras (46,57%). O prêmio também selecionou seis pessoas com deficiência (9,8%), três indígenas (4,9%), três quilombolas (4,9%) e 37 escritoras em ampla concorrência (60,6%).

Com o objetivo de impulsionar trabalhos literários produzidos por mulheres, o prêmio homenageia uma escritora brasileira de renome internacional: Carolina Maria de Jesus. O edital distribui R$ 50 mil para cada obra literária inédita produzida por mulheres brasileiras. 

Com a ampliação no número de premiadas, o valor total oferecido pela pasta chega a R$ 3.650.000,00 (três milhões e seiscentos e cinquenta mil reais). O ministério analisou 1.922 obras literárias.

Edital do MinC é alvo de polêmica

A primeira edição do Prêmio Carolina Maria de Jesus de Literatura Produzida por Mulheres 2023 é alvo de polêmicas, depois que um grupo de escritoras negras apontou irregularidades na seleção e pediu a revogação do edital. No dia 11 de janeiro, o coletivo foi recebido por uma equipe do Ministério da Cultura para conversar sobre o assunto.

Em nota publicada nas redes sociais, o coletivo “Nós, Carolinas do Brasil” reconhece a importância da ampliação das vagas, que “beneficiará muitas mulheres merecedoras de tal prêmio”, mas ressalta: “a atitude não resolve os demais erros apontados com clareza pelo coletivo ‘Nós, Carolinas do Brasil’”.

Entre as irregularidades, o coletivo enumera: as mulheres que compuseram a comissão de avaliação das obras inscritas não foram remuneradas pelo serviço; a metodologia de cotas; os requisitos de avaliação; o erro da comissão com a mudança de categoria de uma das candidatas; a ausência de explicação sobre a candidata que teve sua nota aumentada, sem que entrasse com recurso; e a discrepância regional no resultado final.

“Consideramos o aumento de 12 vagas na premiação um conserto insuficiente por toda a coleção de erros cometidos e que, ao diminuir danos específicos, também objetiva pôr fim às nossas reivindicações por respeito, justiça e democratização do acesso às políticas culturais”, diz a nota, que finaliza reforçando o pedido pela revogação do edital.

Entenda os erros apontados pelo coletivo

Para as representantes do movimento, a metodologia do prêmio promove “racismo estrutural e linguístico”, na medida em que restringe a participação de negras, quilombolas, indígenas, ciganas e Pessoas com Deficiência às vagas de cotas. Além disso, a premiação estabelece como critério de desempate o “domínio técnico no uso dos recursos linguísticos”, desconsiderando a pluralidade linguística sobretudo de indígenas e quilombolas. 

Também foram apontadas irregularidades no processo seletivo. De acordo com o argumento, foi criada uma vaga extra, preenchida por uma candidata que inicialmente se inscreveu como “negra” e, depois, entrou com recurso para mudar a categoria para “não se aplica”. Uma outra escritora teve a pontuação aumentada, sem que apresentasse recurso e sem justificativa para o reajuste, e passou a ocupar a vaga deixada pela participante que trocou para a categoria de ampla concorrência. 

Chama atenção, ainda, a desigualdade regional do prêmio. A região Norte, que concentra a maioria da população negra do país, é uma das menos representadas na seleção: apenas 6,56%. O Norte só fica atrás do Centro-Oeste, região de 4,92% das selecionadas. Em contrapartida, o Sudeste (52,46%) e o Sul (16,39%) concentram, juntos, quase 70% do recurso. A região Nordeste foi a segunda entre as escolhidas, com 19,67%.

Leia a nota completa do coletivo ‘Nós, Carolinas do Brasil’:

“Ontem fomos informadas pelo secretário Fabiano Piúba que o Ministério da Cultura oficializou a ampliação do número de premiadas da categoria negra no Edital Carolina Maria de Jesus. Embora saibamos que a medida beneficiará muitas mulheres merecedoras de tal prêmio, entendemos também que tal atitude não resolve os demais erros apontados com clareza pelo coletivo ‘Nós, Carolinas do Brasil’, principalmente sobre a metodologia utilizada na execução deste edital.

Em reunião com a equipe do Ministério da Cultura a dias atrás, nos foi informado que este edital foi um pedido pessoal do presidente Lula para promoção da literatura produzida por mulheres. Mas vale lembrar que as mulheres que compuseram a comissão de avaliação das obras inscritas não foram sequer remuneradas por tal serviço prestado. Isso comprova mais uma alarmante contradição no que diz respeito ao que se propõe e como foi a realização deste edital, um desrespeito ao trabalho literário (incluindo produção, leitura e avaliação) produzido por mulheres.

A este erro somam-se: a metodologia de cotas que o secretário busca corrigir com o aumento das vagas na premiação; os requisitos de avaliação que, dentre outros problemas, resultaram na inviabilidade de escritoras quilombolas e indígenas atingirem uma nota máxima 0u classificadora; o erro da comissão com a mudança de categoria de uma das candidatas resultando na vaga 61; a ausência de explicação sobre a candidata que teve sua nota “consolidada” vindo a ser premiada sem que a mesma tivesse sequer entrado com recurso; e a discrepância regional no resultado final.

Consideramos o aumento de 12 vagas na premiação um conserto insuficiente por toda a coleção de erros cometidos e que, ao diminuir danos específicos, também objetiva pôr fim às nossas reivindicações por respeito, justiça e democratização do acesso às políticas culturais.

Para nós, a decisão do Ministério da Cultura é a admissão dos erros cometidos neste prêmio e que estão sendo ‘corrigidos’ apenas através de uma concessão de vagas. É preciso dizer que tal concessão não nos contempla pois nossa ação não se trata apenas disso. Queremos urgentemente romper com a desigualdade racial mantida pela – e para – inferioridade epistemológica com que as instituições brasileiras tratam os conhecimentos oriundos da população negra e indígena.

Enfatizamos, então, a continuidade do nosso posicionamento pela revogação, revisão e relançamento deste edital, reconhecendo-o como peça fundamental a ser movida nessa imensa estrutura para avançarmos juntas/os/es rumo ao reconhecimento da diversidade intelectual brasileira – tão necessário para efetivação da democracia.”

  • Fernando Assunção

    Atua como repórter no Alma Preta Jornalismo e escreve sobre meio ambiente, cultura, violações a direitos humanos e comunidades tradicionais. Já atua em redações jornalísticas há mais de três anos e integrou a comunicação de festivais como Psica, Exú e Afromap.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano