Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Morte de Marvin Gaye completa 40 anos, conheça a trajetória da lenda do R&B

O artista deixou dezenas de músicas e foi um marco importante na história da música negra no mundo
A imagem mostra o cantor e compositor Marvin Gaye ao lado de um piano.

Foto: Getty images

1 de abril de 2024

Nascido em Washington, nos Estados Unidos, Marvin Pentz Gay Junior, começou a cantar aos três anos de idade no coral da igreja em que o pai era pastor. Ainda criança se destacou por sua voz forte e se tornou solista do grupo, além de tocar piano e bateria. 

A música era uma válvula de escape para Marvin, que sofria com a violência e agressividade do pai que frequentemente agredia os quatro filhos e a esposa. Para evitar questionamentos sobre sua sexualidade e desvincular-se de seu pai, Marvin acrescentou a letra E ao sobrenome, e passou a se chamar Marvin Gaye.

No ensino médio Marvin Gaye começou a se dedicar ainda mais à carreira musical. Aos 22 anos, entrou para a gravadora Motown, em que permaneceu de 1961 a 1982, como compositor, instrumentista e produtor. Sua atuação transformou a empresa em sinônimo de música negra.

Após uma fase de reclusão e depressão, o lendário músico Quando retornou produziu o álbum “What’s Going On” com elementos de percussão e jazz, com letras que sustentavam seus pensamentos e crenças, questões sociais, pobreza, corrupção e violência policial, além de abordar a Guerra do Vietnã. O dono da gravadora e sogro do músico, Berry Gordy, chegou a se recusar a lançar o disco por causa das temáticas, mas cedeu após pressão de Gaye.

O álbum alcançou o segundo lugar nas paradas de sucesso de 1971. As músicas “Mercy Mercy Me” e “Inner City Blues (Make Me Wanna Roller)” também atingiram o top dez do ano.

No trabalho seguinte, as composições de Marvin retrataram conflitos familiares, questões existenciais e problemas pessoais do artista. “Let’s Get it On” chegou ao primeiro lugar no ano de 1973 foi um dos trabalhos mais bem sucedidos do cantor. 

Sua última aparição pública foi em 1983, quando cantou durante o All-Star Game da NBA. Na manhã de 1º de abril de 1984, um dia antes de completar 45 anos, Marvin Gaye foi baleado no coração pelo próprio pai após uma discussão. 

Em uma publicação do jornal norte-americano Los Angeles Times, o pai do cantor demonstrou arrependimento durante o julgamento. Ele morreu sozinho, aos 84 anos, em 1998, em um asilo. 

Gaye deixou dezenas de músicas, coletâneas e canções lançadas após sua morte, seus discos são celebrados até os dias atuais e deixaram uma marca eterna na música negra. 

  • Patricia Santos

    Jornalista, poeta, fotógrafa e vídeomaker. Moradora do Jardim São Luis, zona sul de São Paulo, apaixonada por conversas sobre territórios, arte periférica e séries investigativas.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano