Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

‘Uma Casa Toda Sua’: exposição feminina no Rio de Janeiro ocupa Museu Eva Klabin

Em entrevista, a artista Mariana Maia compartilha a conexão da mostra com as religiões de matriz africana
A artista Mariana Maia durante mostra na Casa Museu Eva Klabin, no Rio de Janeiro.

Foto: Divulgação

21 de abril de 2024

Sediada no Rio de Janeiro, a Casa Museu Eva Klabin apresenta a exposição “Uma Casa Toda Sua”. A mostra de 14 mulheres é baseada no livro “Um Teto Todo Seu”, de Virginia Woolf e pode ser visitada gratuitamente até junho. 

Os trabalhos expostos são baseados na obra que abrange as palestras de Virginia Woolf nas faculdades de Newham e Girton, em 1928. Na época, as mentorias promoveram uma reflexão sobre as condições sociais da mulher e sua influência na produção literária.

Entre as artistas selecionadas para compor a mostra, Mariana Maia traz sua vivência enquanto mulher negra para a exposição por meio de um vídeo-performance e uma instalação artística intitulada “Ofertar as Águas”.

A criação é composta por 101 lenços, em que cada um apresenta um símbolo relacionado a ancestralidade. O projeto incluiu elementos adinkra (povo Ashanti), símbolos de orixás (povo Iorubá) e símbolos de Bastet (Antiguidade Egípcia).

Em entrevista à Alma Preta, Maia explica que planejou ocupar o banheiro da Casa Museu Eva Klabin pensando que o ambiente seria o espaço mais íntimo de Eva. Em sua visão, “o trabalho também pensa na ideia de casa como o próprio corpo, o meu corpo ali é a minha casa, onde eu me abrigo, onde eu me cuido”. 

A artista reforça que o trabalho possui uma conexão com as religiões de matriz africana. “Ele tem uma conexão com o ritual chamado ebó, em que a pessoa recebe o axé de outra, através de uma série de elementos da natureza que ela passa sobre o corpo”, pontua.

Ao visitar a instalação, as pessoas podem trocar essa energia vital com a artista por meio dos lenços, que representam a água que vem do corpo, dos suores e lágrimas. “A ideia é ofertar essas águas para o público no término da exposição”, diz.

Sobre as duas pinturas que cobrem os espelhos, Maia explica que uma é Oxum, a deusa do amor, da maternidade, do cuidado e da beleza. Enquanto, do outro lado, um gato faz referência a deusa egípcia Bastet, que tem uma proximidade com a deusa Oxum por conta de características semelhantes.

“Mulheres negras têm historicamente o corpo violentado e colocado em risco. Em um país onde ter um teto é privilégio, temos no corpo a morada. Por meio de gestos ancestrais, podemos proporcionar ao corpo o equilíbrio e a força necessária”, conclui Mariana Maia.

  • Mariane Barbosa

    Curiosa por vocação, é movida pela paixão por música, fotografia e diferentes culturas. Já trabalhou com esporte, tecnologia e América Latina, tema em que descobriu o poder da comunicação como ferramenta de defesa dos direitos humanos, princípio que leva em seu jornalismo antirracista e LGBTQIA+.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano