Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Deputada federal propõe regulamentação da profissão de trancista

"Hoje existem cerca de 15 mil profissionais que se identificam como trancistas no país", destaca Dandara Tonantzin à Alma Preta
No total, 90% das profissionais trancistas estão dedicadas para o embelezamento afro.

Foto: Reprodução

16 de maio de 2024

A deputada federal Dandara Tonantzin (PT-MG) apresentou na Câmara dos Deputados na última semana um projeto de lei que visa regulamentar a profissão de trancista no país. Na proposta, a parlamentar define o que é a profissão e inclui as suas características no Quadro de Atividades e Profissões da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Segundo a parlamentar, o projeto é resultado da demanda de um grupo de trabalhadoras de Uberlândia que almejam reconhecimento e real valorização da sua profissão. Após a apresentação, a proposta foi encaminhada para as comissões responsáveis, onde será analisada.

“De acordo com elas, 90% das profissionais estão dedicadas para o embelezamento afro e isso é o que as diferencia da categoria profissional de cabeleireiros. Hoje existem cerca de 15 mil profissionais que se identificam como trancistas no país”, explica Dandara à Alma Preta.

Dandara também destaca que a regulamentação da profissão de trancista se justifica porque ela tem uma diferença fundamental em relação aos profissionais cabeleireiros, como o emprego de saberes, habilidades e técnicas ancestrais de cuidado e embelezamento capilar próprios da cultura afrodescendente do país. 

“O trabalho realizado pelas trancistas no âmbito dos salões de beleza tem uma dimensão social muito importante para a população afrodescendente, pois atua na desconstrução de estereótipos negativos relacionados ao seu tipo capilar, apontando para outras possibilidades de cuidado que não as danosas práticas de alisamento e assim contribuindo para o fortalecimento da autoestima dessas pessoas, para a preservação da tradição e dos ensinamentos ancestrais da população negra e, por fim, para a afirmação de uma identidade negra”, pontua.

Dandara também salienta sobre a importância da atividade para a empregabilidade e a autonomia financeira em especial das mulheres negras, que compõe a maioria do quadro dessas profissionais. “Esse é um significativo exemplo de empreendedorismo negro”, concluiu.

  • Mariane Barbosa

    Curiosa por vocação, é movida pela paixão por música, fotografia e diferentes culturas. Já trabalhou com esporte, tecnologia e América Latina, tema em que descobriu o poder da comunicação como ferramenta de defesa dos direitos humanos, princípio que leva em seu jornalismo antirracista e LGBTQIA+.

    View all posts

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano