Pesquisar
Close this search box.

A crise invisível: saúde mental e morte de homens negros no Brasil

Muitos homens negros são desencorajados a expressar suas emoções ou a buscar ajuda psicológica, perpetuando um ciclo de sofrimento silencioso
Imagem mostra um homem negro olhando para abaixo. Atrás há um fundo amarelo.

Foto: Freepik

9 de junho de 2024

A saúde mental dos homens negros no Brasil está em uma crise invisível que exige atenção imediata e ação urgente. De acordo com dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2023, aproximadamente 4.500 homens negros morreram por suicídio no último ano, representando cerca de 75% dos suicídios masculinos no país. Esse número alarmante reflete uma confluência de fatores raciais e sociais que afetam desproporcionalmente a saúde mental dessa população.

A história de opressão, discriminação e marginalização sofrida pela população negra brasileira tem consequências profundas e duradouras. O racismo estrutural não apenas limita as oportunidades econômicas e sociais, mas também deteriora a saúde mental. Homens negros frequentemente enfrentam microagressões, violência policial, discriminação no mercado de trabalho e estigmatização social. Esses fatores contribuem para um estado constante de estresse e ansiedade, que pode levar a depressão e, em casos extremos, ao suicídio.

Adicionalmente, o estigma em torno da saúde mental na comunidade negra é um obstáculo significativo. Muitos homens negros são desencorajados a expressar suas emoções ou a buscar ajuda psicológica, perpetuando um ciclo de sofrimento silencioso. A ideia de que “homem não chora” ou que deve ser “forte” e “resiliente” impede muitos de reconhecerem suas vulnerabilidades e de procurarem o apoio necessário.

Para combater essa crise, é crucial promover a conscientização sobre a importância da saúde mental na comunidade negra. Iniciativas de educação e suporte, incluindo programas comunitários de apoio psicológico e campanhas de sensibilização, são fundamentais. Além disso, é necessário abordar e desmantelar as estruturas racistas que perpetuam a desigualdade e o sofrimento.

A saúde mental dos homens negros é uma questão de sobrevivência e justiça social. Reconhecer e enfrentar as causas raciais que contribuem para a crise de saúde mental é um passo essencial para garantir que todos os indivíduos, independentemente de sua cor, possam viver vidas plenas e saudáveis. É hora de quebrar o silêncio, enfrentar o estigma e fornecer o apoio necessário para aqueles que mais precisam.

Caso você seja ou conheça alguém que apresente sinais de alerta relacionados ao suicídio, busque ajuda. Entre em contato com o Centro de Valorização à Vida (CVV) por meio do telefone 188. O canal oferece atendimento gratuito 24h por dia. Há também a opção de conversa por chat, e-mail e busca por postos de atendimento pelo Brasil.

  • Felipe Ruffino

    Felipe Ruffino é jornalista, pós-graduado em Assessoria de Imprensa e Gestão da Comunicação, possui a agência Ruffino Assessoria e ativista racial, onde aborda pautas relacionada à comunidade negra em suas redes sociais @ruffinoficial.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano