Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Conheça Bela Malaquias, única mulher líder de partido em Angola

As eleições no país africano estão agendadas para agosto deste ano e a jornalista, advogada e militante deve ser a única mulher a se candidatar na corrida presidencial

Imagem de Bela Malaquias. Ela é uma mulher negra.

Foto: Imagem: Reprodução / Plataforma Media

23 de junho de 2022

As eleições em Angola ocorrem no mês de agosto deste ano e o país africano pode ter Bela Malaquias como sua única representante feminina a disputar a corrida presidencial. A política é a única mulher atualmente a liderar um partido no país e pretende se candidatar à disputa com intenções de ensino gratuito e de qualidade para todos entre suas propostas.

Florbela “Bela” Catarina Malaquias é a líder do Partido Humanista Angolano (PHA), legalizado no dia 28 de maio deste ano com o lema “humanizar Angola”. O partido é o 13° que poderá concorrer às eleições de 2022. Os setores de saúde e educação são os principais temas do novo partido político.

“Eu caracterizo-me como uma cidadã preocupada com os destinos do país. O país não está como deveria estar, porque tem todas as condições materiais e humanas para estar numa condição diferente daquela que nós estamos a observar”, disse Malaquias em entrevista à DW África.

Quem é Bela Malaquias?

Florbela Malaquias, 63, nasceu na província de Moxico, em Angola, no dia 26 de janeiro de 1959. Além de jornalista e advogada, foi também militante da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), considerado maior partido da oposição no país.

A advogada também foi combatente do FALA (Forças Armadas de Libertação de Angola), braço armado da UNITA durante a guerra civil angolana que durou de 1975 a 2002. A UNITA lutou contra o Movimento Popular para a Libertação de Angola (MPLA), de viés comunista e que passou a controlar grande parte do país após a independência angolana de Portugal.

A militante também foi jornalista na Voz da Resistência do Galo Negro, ligado à UNITA, e também na Rádio Nacional de Angola, sendo um dos destaques. Mais recentemente, em 2019, Florbela lançou o livro “Heroínas da Dignidade”, em que relata suas memórias e experiências no Jamba, antigo quartel-general da UNITA fundada por Jonas Savimbi, o qual descreve como um tirano e assassino, sobretudo em relação à violência contra as mulheres.

De acordo com informações da DW África, o Partido Humanista de Angola deve entregar nesta quinta-feira (23), ao Tribunal Constitucional, a sua candidatura às eleições.

Leia também: Bélgica devolve à família restos mortais de Patrice Lumumba, fundador do Congo

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano