Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Artistas afro-brasileiros são homenageados em mostra no CCBB de São Paulo

A exibição reúne cerca de 150 obras que abordam uma variedade de temáticas
Imagem mostra um quadro em aquarela com a representação de um pai negro e suas duas filhas.

Foto: Victor Fidelis/ Acervo da Galeria Asfalto

11 de dezembro de 2023

O Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) promove, em São Paulo, a partir de 16 de dezembro, a exposição “Encruzilhadas da Arte Afro-Brasileira”. A mostra apresenta criações de 61 artistas negros de diversas regiões, produzidas ao longo dos últimos dois séculos no Brasil, e fica em cartaz até 18 de março de 2024.

Ao todo, a exibição reúne cerca de 150 pinturas, fotografias, esculturas, instalações, vídeos e documentos que abordam uma variedade de temáticas, técnicas e descritivos, distribuídos pelos cinco andares do CCBB. A visitação completa leva em torno de duas horas.

A exposição foi idealizada para discutir eixos temáticos em torno de artistas negros emblemáticos a partir de cinco nomes centrais. No primeiro deles, o público confere a arte de Arthur Timótheo da Costa, cuja produção transita entre os séculos 19 e 20. Seus traços revelam certa dramaticidade e evoluem para uma obra pré-modernista.

O destaque da segunda sessão é de Rubem Valentim. Considerado um mestre do concretismo brasileiro, a mostra propõe uma discussão sobre a forma e os elementos religiosos. Em sua trajetória, o artista utilizou símbolos e emblemas geométricos de religiões de bases africanas.

O terceiro eixo é dedicado à vibrante arte de Maria Auxiliadora, que utiliza cores de forma encantadora em retratos, autorretratos e festas religiosas. Sua obra transcende o estético, engajando-se em debates políticos sobre moradia, territórios, segurança alimentar e direitos da população negra.

Mestre Didi, homenageado na quarta seção, foi um artista e sacerdote que revelou a complexa relação entre Brasil e África por meio de sua espiritualidade. Suas obras são conhecidas pelo uso de materiais naturais como búzios, sementes, couro e folhas de palmeira, explorando as afro-religiosidades dessas interações.

Por fim, no último eixo, a protagonista é Lita Cerqueira, única artista ainda viva entre os cinco expoentes. Aos 71 anos, ela se consolidou como uma das maiores representantes da fotografia brasileira. 

Sua trajetória internacionalmente reconhecida iniciou capturando a essência de festas populares na Bahia, capoeira e detalhes arquitetônicos do centro histórico de Salvador. Em seguida, mergulhou na fotografia cênica, registrando músicos da sua época, como Gilberto Gil, Caetano Veloso, Maria Bethânia e Gal Costa.

Projeto Afro 

A exposição é um desdobramento do Projeto Afro, uma plataforma afro-brasileira de mapeamento e difusão de artistas negros. Em desenvolvimento desde 2016, a iniciativa lançada em 2020 abrange cerca de 300 artistas catalogados que abarcam um vasto período da produção artística no Brasil, desde o século 19 até os contemporâneos nascidos nos anos 2000.

O trabalho de pesquisa por trás do projeto e da exposição surgiu do desejo e frustração do jornalista, pesquisador e curador da mostra do CCBB, Deri Andrade, ao não encontrar muitas referências sobre a arte afro-brasileira no Brasil.

Durante o processo, Andrade mergulhou em diversas publicações, pesquisas e materiais — incluindo exposições notáveis como as de Emanoel Araujo nos anos 90 — para mapear artistas negros e suas obras por todo o Brasil. Essa busca resultou no projeto de catalogação, resgatando uma arte muitas vezes marginalizada pela sociedade.

Os ingressos, gratuitos, estão disponíveis na bilheteria física e no site do CCBB SP.

  • Mariane Barbosa

    Curiosa por vocação, é movida pela paixão por música, fotografia e diferentes culturas. Já trabalhou com esporte, tecnologia e América Latina, tema em que descobriu o poder da comunicação como ferramenta de defesa dos direitos humanos, princípio que leva em seu jornalismo antirracista e LGBTQIA+.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano