Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

B-boy brasileiro vence campeonato mundial de breaking no Japão

O atleta, que teve a perna amputada aos 14 anos por causa de um câncer, foi o primeiro brasileiro a vencer a competição
A imagem mostra o B-boy Samuka sendo consagrado o campeão de uma competição mundial em Tóquio, no Japão.

Foto: Maurice van der Meijs/Divulgação

20 de março de 2024

A edição de Tóquio, no Japão, do Fujifilm Instax Undisputed, um campeonato mundial de breaking dance, reuniu mais de 180 dançarinos de 23 países e consagrou o brasileiro Samuel Henrique, conhecido como b-boy Samuka, como campeão.

Competindo na categoria solo masculino, Samuka, que precisou amputar a perna aos 14 anos devido a um câncer no fêmur, superou todos os seus adversários e o preconceito para vencer a competição.

Ao derrotar o norte-americano b-boy Mace na final por 3 a 0, Samuka se tornou o primeiro brasileiro na história a vencer o campeonato

“O legado de Samuka irá, sem dúvida, inspirar gerações de dançarinos e atletas a perseguirem incansavelmente os seus sonhos, independentemente dos desafios que possam enfrentar”, disse a organização do evento em comunicado à imprensa. 

Nascido em Ceilândia, no Distrito Federal, o jovem recebeu o diagnóstico de câncer aos dez anos. Depois da amputação, dedicou seu tempo a aprender a dançar breaking e jogar basquete, mas o Hip-Hop foi o combustível para manter sua a saúde física e mental em dia. 

B-boy é o nome dado a pessoa que se dedica a praticar o breakdance, uma das principais vertentes do movimento Hip-Hop, que conta ainda com o MC, o Grafite e o DJ. 

Nos Jogos Olímpicos de Paris 2024, o break será uma das modalidades esportivas estreantes na competição. Serão 32 atletas, sendo 16 mulheres. A última etapa classificatória acontece entre março e junho, em Xangai, na China, e em Budapeste, na Hungria. 

  • Patricia Santos

    Jornalista, poeta, fotógrafa e vídeomaker. Moradora do Jardim São Luis, zona sul de São Paulo, apaixonada por conversas sobre territórios, arte periférica e séries investigativas.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano