Olimpíadas 2024

Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Descriminalização da maconha: até 35% dos réus por tráfico poderiam ser considerados usuários

Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) estima quantidade de réus processados por tráfico que poderiam ser considerados usuários; cientista social vê com cautela decisão do STF de descriminalizar maconha
Imagem mostra uma cela de prisão.

Foto: Reprodução

27 de junho de 2024

O Atlas da Violência 2024, publicação do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), aponta os impactos que a descriminalização da maconha pode ter no sistema de justiça e no sistema prisional.

Nesta semana, o Supremo Tribunal Federal (STF) descriminalizou o porte de maconha para uso pessoal. A corte também definiu como usuário aquele que “adquirir, guardar, depositar ou transportar até 40 gramas de cannabis sativa ou seis plantas fêmeas”.

Segundo a pesquisadora do instituto, Milena Karla Soares, a depender dos parâmetros considerados, entre 23% e 35% dos réus processados por tráfico portavam quantidades de cannabis e/ou cocaína compatíveis com padrões de uso pessoal e, com critérios objetivos, poderiam ser considerados usuários.

No sistema prisional, a implementação de critérios objetivos para cannabis e cocaína poderia resultar na classificação de entre 5,2% e 8,2% dos presos como usuários, economizando anualmente entre R$ 1,3 bilhão e R$ 2 bilhões. Se os critérios forem estabelecidos apenas para uma droga, como a cannabis, sem incluir a cocaína, os impactos seriam menores, afetando entre 1% e 2,4% da população prisional e gerando uma economia anual entre R$ 262,7 milhões e R$ 591,7 milhões.

Ainda de acordo com o Ipea, a cocaína é a droga mais comumente referenciada em processos criminais por tráfico (70,2% dos casos), com quantidade mediana de 24 gramas. A segunda droga mais comum é a cannabis (67,1% dos processos), com mediana de 85 gramas.

A cientista social Nathália Oliveira, cofundadora e diretora-executiva da Iniciativa Negra por uma Nova Política de Drogas (INNPD), vê com cautela a decisão do STF.

“O fato da elite do judiciário reconhecer o racismo da instituição não quer dizer que está disposta a mudar, são depositadas muitas expectativas no sistema de justiça, um dos poderes menos democráticos do Brasil”, aponta. “Entendo a desilusão daqueles que depositam muitas esperança no judiciário, mas é inegavelmente uma fissura que ajuda a pautar a opinião pública e outros poderes. Quando os demais poderes reconhecerem isso, podemos pensar em mudanças estruturais”, conclui.

  • Giovanne Ramos

    Jornalista multimídia formado pela UNESP. Atua com gestão e produção de conteúdos para redes sociais. Enxerga na comunicação um papel emancipatório quando exercida com responsabilidade, criticidade, paixão e representatividade.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano