Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Paulista lotada pede “Fora Bolsonaro” em ato contra corrupção

Logo após avanços da CPI da Pandemia, denúncia de propina e vacinas vencidas, população reforça desejo de impeachment de Jair Bolsonaro; Ato na capital Paulista foi marcado por demonstrações de repúdio e reinvindicações de diversas classes 

Texto: Juca Guimarães I Edição: Lenne Ferreira I Imagem: Patrick Silva

milhares de manifestantes pedem Fora Bolsonaro na av Paulista, 3 de julho

3 de julho de 2021

O ato “Fora Bolsonaro” na avenida Paulista, em São Paulo, reuniu diversas entidades de classe, partidos de Centro, ex-aliados do governo, sindicatos, partidos de esquerda e movimentos organizados da sociedade.  Em sua terceira edição, o protesto, que foi antecipado, demonstrou a insatisfação da população com o governo federal. Reunidos a partir das 15h, os manifestantes usaram de faixas, cartazes e até humor para criticar o presidente. A quantidade de pessoas que compareceram ao ato afetou o funcionamento das linhas de ônibus da região.  

A denúncia sobre uma transação de propina no valor de um dólar a mais em cada dose da vacina Covaxin, da Índia, e a notícia de aplicação de imunizante com data de validade vencida na população abalaram ainda mais a imagem do governo. Outros atos aconteceram, também neste sábado, em Pernambuco, no Rio de Janeiro, e vários outros estados do Brasil.

Leia também: Pernambucanos engrossam o caldo do Fora Bolsonaro em mais um ato

“Vejo, neste ato, muita gente comentando que é a primeira vez que participa. Pessoas que vieram porque não aguentam mais essa situação e querem o impeachment já. O Bolsonaro tem sangue nas mãos, ele é um genocida, um assassino”, disse o deputado federal Orlando Silva, do PCdoB-SP.

O petista Fernando Haddad, que concorreu no segundo turno contra Bolsonaro, em 2018, esteve no ato pelo impeachment e comentou a atuação do presidente no comando do país.

“Ele não tem condição de governar. Ele odeia os negros, odeios os povos indígenas e tem um plano para matar a população. Uma pessoa que não fez nada além de se envolver em esquemas e corrupções durante 30 anos como deputado, não iria fazer nada diferente disso na presidência. Já dava para perceber isso lá atrás”, disse Haddad.

Leia também: No Rio de Janeiro, manifestantes pressionam pelo impeachment de Bolsonaro

Douglas Belchior, da Unegro e da Coalizão Negra por Direitos, falou sobre a necessidade de aumentar a pressão das forças políticas e da sociedade para exigir o impeachment. “O super pedido de impeachment reúne todos os crimes cometidos pelo atual presidente desde a posse em 2019 e também representa a indignação e revolta do povo contra as 522 mil mortes. E nós sabemos bem quem são as pessoas que estão morrendo, qual a estratégia por trás das ações do governo”, disse Belchior.

Segundo estimativa da Polícia Militar de SP, o protesto reuniu 5.500 pessoas. O ato anterior, em 19 de junho, contou com 9.000 pessoas. A percepção de quem estava lá, no entanto, era de que havia mais gente considerando o público fluante que se estendeu, com distanciamento social, por vários quarteirões. Às 19h30, após o fim do ato, a PM publicou no Twitter que uma agência de banco e um ponto de ônibus foram depredados na avenida da Consolação e que houve confronto com manifestantes.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano