Pesquisar
Close this search box.

Negra Jhô: liderança religiosa recebe o título de Doutora Honoris Causa

Título foi concedido pela Ordem dos Capelães do Brasil; a multiartista baiana é um dos principais nomes da emancipação da identidade e estética negra no Brasil

Negra Jhô é uma mulher negra. Ela usa turbante dourado e uma beca preta com gola branca

Foto: Foto: Reprodução/@negra_jho

1 de fevereiro de 2022

Um dos principais nomes na arte das tranças e turbantes na Bahia e Brasil, Valdemira Telma de Jesus Sacramento, mais conhecida como Negra Jhô, foi reconhecida com o título ‘Honoris Causa’ pela Ordem dos Capelães do Brasil.

A honraria reconhece a multiartista como responsável por manter a tradição ancestral africana na Bahia. A titulação foi concedida na segunda-feira (31).

Mulher preta e do candomblé, Jhô é Ya Dagan (posto religioso) do Terreiro Ilê Asé Odé Lêssy. Nas redes sociais, ela comemorou a honraria que destaca a sua atuação religiosa e a reconhece como capelã, liderança religiosa que presta assistência e acolhimento espiritual.

“Filha de Ogum e Iansã, Negra Jhô segue aquecendo a tradição dos seus Ancestrais, que aos olhos da instituição, sua liderança religiosa, sobretudo, sua capacidade de compreender o problema de outrem, e sua predisposição em acompanhar e aconselhar o cidadão em momentos difíceis, a torna uma Capelã”, escreveu nas redes sociais.

Negra Jhô também é uma das expoentes da emancipação da identidade negra em Salvador. Com um estúdio no Pelourinho, Jhô contribui, desde os anos 70, para o movimento do empoderamento crespo, da estética e ancestralidade negra. A multiartista é uma referência nacional e internacional.

A titulação também destaca a atuação de Negra Jhô à frente do Instituto Kimundo, organização que mantém e preserva a cultura africana através de atividades que valorizam a autoestima e beleza da mulher negra a partir das tranças, turbantes, torços e indumentárias.

Dentre as atividades, o Instituto promove oficinas para crianças e adolescentes, com objetivo de fortalecer a autoestima negra durante o desenvolvimento das crianças.

Leia também: Pensadora atemporal: Lélia Gonzalez faria 87 anos

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano