Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Novo centro de memória da ditadura no RJ terá apoio do Ministério dos Direitos Humanos

O lugar foi usado como centro de tortura de civis durantes a ditadura militar
A imagem mostra a fachada da “Casa da Morte” conhecida por ser um centro de tortura durante ditadura militar.

Foto: Reprodução

5 de fevereiro de 2024

Prestes a completar 60 anos da ditadura militar (1964-1985) o Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC) demonstrou apoio para a criação do “Memorial Casa da Morte” em Petrópolis, no Rio de Janeiro. A iniciativa busca preservar a memória das vítimas e dos desaparecidos durante o regime. 

Em parceria com a prefeitura de Petrópolis, o MDHC busca soluções para desapropriação do imovel que dará lugar ao “Memorial de Liberdade, Verdade e Justiça”. O Ministério Público Federal (MPF) enviou um ofício à Universidade Federal Fluminense para que a instituição integre a gestão ao espaço por conta de sua expertise sobre a ditadura. 

A “Casa da Morte” era utilizada por órgãos de repressão do exército. O lugar foi  um centro clandestino de tortura e assassinato de adversários políticos do regime. Estima-se que pelo menos 22 pessoas foram executadas no imóvel durante a ditadura militar. 

A única presa política que sobreviveu à casa, Inês Etienne Romeu, disse em depoimento à Comissão nacional da Verdade (CNV) que sofreu tortura, violência sexual e humilhação por parte dos militares entre maio e agosto de 1971, período que esteve presa. Romeu faleceu em 2015 por causas naturais. 

O imóvel é tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac), o que torna uma garantia de preservação do espaço.

  • Patricia Santos

    Jornalista, poeta, fotógrafa e vídeomaker. Moradora do Jardim São Luis, zona sul de São Paulo, apaixonada por conversas sobre territórios, arte periférica e séries investigativas.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano