Pesquisar
Close this search box.

Prêmio Jejé de Oyá celebra protagonistas negros em Cuiabá

Terceira edição do evento destaca talentos em diversas áreas e homenageia figuras emblemáticas
Exposição com os troféus das três edições do Prêmio Jejé de Oyá.

Foto: Cida Rodrigues/Secel-MT

5 de junho de 2024

A terceira edição do Prêmio Jejé de Oyá, realizada no Teatro Zulmira Canavarros, em Cuiabá, prestigiou e premiou protagonistas negros da capital e da baixada cuiabana que se destacam em várias áreas de atuação.

O quinteto composto por Leny Nobre, Anselmo Parabá, Jasmyne, Sophie e Day abriu a noite com uma performance da música “Principia”, de Emicida. Leny Nobre retornou ao palco para apresentar uma canção autoral, enquanto Jasmyne fez uma interpretação de “Em Busca da Minha Sorte”, de Thiaguinho. O Coro Experimental de MT, sob a regência do vencedor da categoria “Performance Artística”, Jefferson Neves, encerrou as apresentações musicais.

Além dos premiados nas dez categorias, eleitos pelo júri técnico e voto popular, a noite contou com a presença dos cerimonialistas Elias Neto e Taís Paula, e convidados especiais, como Vera Capilé e Waldir Bertúlio, que anunciaram os vencedores.

Os homenageados da noite também compartilharam palavras de afeto e motivação. Entre eles, estavam Adenir Cardoso (Presidente do Tribunal Regional do Trabalho de MT- TRT/MT), Dona Matilde da Silva (Presidente do Grupo Folclórico Flor do Campo), Jan Moura (Gestor Cultural e doutor em Estudos de Cultura Contemporânea pela UFMT), João Bosco Cajueiro (servidor técnico administrativo da UFMT desde 1974), Lindisey Catarina de Sá (produtora cultural) e Nilson André Farias (Delegado da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa – DHPP).


O prêmio homenageia a memória de José Jacintho Siqueira de Arruda, conhecido como Jejé de Oyá, uma figura icônica em Cuiabá entre as décadas de 1950 e 1980. Jejé, colunista social, alfaiate e carnavalesco, é lembrado por sua irreverência e estilo. Em 2017, foi reconhecido pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso como patrono do colunismo social do Estado.

  • Giovanne Ramos

    Jornalista multimídia formado pela UNESP. Atua com gestão e produção de conteúdos para redes sociais. Enxerga na comunicação um papel emancipatório quando exercida com responsabilidade, criticidade, paixão e representatividade.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano