Olimpíadas 2024

Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Presença de mulheres e negros na publicidade digital diminui, diz pesquisa

O estudo analisou a presença de pessoas diversas nos 20 principais anunciantes do país
Imagem mostra mulheres negras com turbantes na cabeça.

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

14 de junho de 2024

A presença de mulheres e pessoas negras em publicidades nas redes sociais de marcas diminuiu em 2023, enquanto a de homens continua a dominar as publicações. Os dados são da pesquisa “Diversidade na Comunicação de Marcas em Redes Sociais”, realizada pela SA365, Elife e Buzzmonitor.

O estudo analisou a presença dos 20 principais anunciantes do país, somando 54 marcas. As publicações analisadas foram retiradas das redes sociais X (antigo Twitter), Instagram e Facebook.

Em comparação com o ano anterior, asiáticos e idosos subiram dois pontos percentuais de presença em peças publicitárias, mas ainda representam apenas 8,6% e 3,1%, respectivamente. Já as pessoas gordas, que estiveram em 1,9% das publicações em 2022, tiveram queda de um ponto percentual; e LGBTI+ foram também 1,9%, mas com queda de três pontos percentuais.

A pesquisa aponta ainda a disparidade entre a presença de diversidade nas publicidades e na população brasileira. Segundo os dados, a presença de pessoas gordas, idosas e sexualmente diversas são os grupos com maior disparidade entre as representações na comunicação digital.

Em relação às interações entre grupos, o estudo ressalta que, mesmo quando pessoas de grupos socialmente subrepresentados aparecem nas fotos, em geral, estão acompanhadas de pessoas brancas.

Conforme aponta a análise, negros estiveram acompanhados por brancos em 31,9% das publicações; enquanto asiáticos estiveram acompanhados por brancos em 31% das publicações e indígenas estiveram acompanhados por brancos em 66,7% das publicações.

Além disso, homens estiveram somente com seu gênero em 69% das publicações, já as mulheres aparecem somente entre elas em 57,6% das imagens, sendo que 35,7% das pessoas apontadas como sexualmente diversas eram mulheres e 64,2% eram homens.

A pesquisa revela ainda os setores nos quais as pessoas mais foram retratadas, sendo homens mais presentes no varejo; mulheres em higiene e beleza; pessoas negras em telecomunicações; asiáticos em entretenimento; idosos em farmacêutico; pessoas gordas no setor bancário; LGBTI+ em entretenimento; pessoas com deficiência em telecomunicações e indígenas em entretenimento.

Os dados na íntegra serão apresentados pela Buzzmonitor, SA365  e Elife durante um webinar gratuito no dia 4 de julho. Os participantes receberão um certificado.

  • Mariane Barbosa

    Curiosa por vocação, é movida pela paixão por música, fotografia e diferentes culturas. Já trabalhou com esporte, tecnologia e América Latina, tema em que descobriu o poder da comunicação como ferramenta de defesa dos direitos humanos, princípio que leva em seu jornalismo antirracista e LGBTQIA+.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano