Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Primeiro coletivo feminista e antirracista de juízas é formado em São Paulo

A iniciativa ganhou força após a aprovação por unanimidade de um ato normativo, em setembro deste ano
Parte do Coletivo Sankofa reunido no Dia da Justiça, em 8 de dezembro.

Foto: Coletivo Sankofa/Divulgação

14 de dezembro de 2023

Para marcar o Dia da Justiça, celebrado no Brasil em 8 de dezembro, um grupo de magistradas que atuam no estado de São Paulo criou o primeiro coletivo de mulheres juízas que se define como feminista e antirracista.

O objetivo da comunidade é promover a igualdade de gênero e de raça e o fortalecimento da atuação de mulheres na magistratura, em especial de mulheres negras.

O Coletivo Sankofa segue a proposta de ato normativo de relatoria da desembargadora Salise Sanchotene, conselheira do  Conselho Nacional de Justiça (CNJ), aprovado por unanimidade, em setembro deste ano.

O nome do grupo faz referência à simbologia africana de Sankofa. O conceito expressa o retorno ao caminho para adquirir conhecimento do passado, a sabedoria e a busca da herança cultural dos antepassados para construir um futuro melhor.

A resolução de setembro assegura que juízas de 1º grau tenham acesso aos tribunais de 2º grau, com a implementação de políticas de cotas raciais estabelecidas pelo CNJ, que definiu a iniciativa como um “avanço civilizatório”.

Durante os três meses de atividade, o coletivo já acolheu mais de cem juízas de direito, federais. Atualmente, o grupo congrega uma diversidade de experiências, desde juízas com mais de 30 anos de carreira até aquelas com dois ou três anos de profissão, destacando a amplitude do movimento. O evento oficial de constituição do grupo está previsto para 2024.

  • Mariane Barbosa

    Curiosa por vocação, é movida pela paixão por música, fotografia e diferentes culturas. Já trabalhou com esporte, tecnologia e América Latina, tema em que descobriu o poder da comunicação como ferramenta de defesa dos direitos humanos, princípio que leva em seu jornalismo antirracista e LGBTQIA+.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano