Olimpíadas 2024

Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

 RJ: familiares de modelo grávida morta pela PM solicitam medida protetiva

Três anos após o crime que matou a modelo Kathlen Romeu, familiares buscam apoio do governo federal para responsabilização dos envolvidos
Na fota a modelo e designer de interiores Kathlen Romeu, morta por um tiro em junho de 2021.

Foto: Reprodução / Redes Sociais

12 de junho de 2024

Em encontro com a secretária-executiva do Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania (MDHC), Rita Oliveira, familiares e amigos de Kathlen Romeu — jovem negra vítima de um tiro de fuzil disparado por policiais em 2021 — entregaram carta aberta solicitando medidas protetivas e apoio na apuração do caso.

O documento é assinado em conjunto com a Federação das Associações de Favelas do Estado do Rio de Janeiro (Faferj), Comunidade Black, Lab Jaca e MeuRio.

A carta alega que os familiares têm sido vitimizados durante os anos em que corre o processo, devido a “exposição de dados, fotos e demais informações daqueles que lutam por justiça”. Ainda de acordo com a manifestação, os agentes acusados pelos crimes de homicídio, omissão de socorro e fraude processual seguem atuando na polícia.

Durante a reunião, o diretor da Faferj, Gabriel Siqueira, ressaltou uma revindicação coletiva da família, amigos e dos movimentos sociais. Eles solicitam que os PMs sejam obrigados a usar câmeras corporais enquanto estiverem em serviço.

Ao MDHC, a família solicita o acompanhamento do caso junto à Justiça do Rio de Janeiro, incluindo o Ministério Público (MP) e Secretarias de Polícia Militar e Civil do Estado do Rio de Janeiro. O pedido também requer atenção especial dos ministérios da Justiça e Segurança Pública (MJSP) e da Igualdade Racial (MIR) para o andamento processo.

Relembre o caso

O episódio de repercussão nacional ocorreu no Complexo do Lins, zona norte da cidade do Rio de Janeiro. A modelo e designer de interiores de 24 anos estava grávida de 13 semanas quando foi alvejada no peito por um fuzil, enquanto passeava com a avó na rua. Em justificativa, os agentes da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Lins alegaram ter revidado a um ataque durante um patrulhamento de rotina na região. 

No final do mesmo ano, o Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) denunciou cinco policiais militares por alteração da cena do crime e falso testemunho. Dois deles também respondem por homicídio. O laudo da reprodução simulada produzido durante o processo pela Delegacia de Homicídios da Capital (DH) indicou que o tiro partiu da arma de um policial.

Na época, a conclusão da investigação feita pela Polícia Civil estava prevista para o início de 2022.  No último sábado (8), o caso completou três anos sem a punição dos envolvidos.

  • Verônica Serpa

    Graduanda de Jornalismo pela UNESP e caiçara do litoral norte de SP. Acredito na comunicação como forma de emancipação para populações tradicionais e marginalizadas. Apaixonada por fotografia, gastronomia e hip-hop.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano