Pesquisar
Close this search box.

Trabalhadores são resgatados de alojamento precário no Mato Grosso

Trabalhadores resgatados realizavam extração de pedras sem o devido equipamento de segurança
A imagem mostra uma estátua da justiça na mesa, com uma juíza negra sentada ao fundo.

Foto: Reprodução / Pexels

1 de julho de 2024

No município de Comodoro, no Mato Grosso, dois trabalhadores submetidos a condições análogas à escravidão foram resgatados de uma fazenda de extração de pedras para paralelepípedos. A ação contou com a participação do Ministério do Público do Trabalho (MPT), do Ministério do Trabalho e Emprego (MPE) e da Polícia Federal (PF).

Segundo o MPT, as vítimas foram encontradas em situações degradantes de trabalho, vida e moradia. Sem registro formal ou garantia de direitos trabalhistas, os funcionários resgatados não possuíam salário-mínimo, sendo remunerados de acordo com a produtividade.

O alojamento foi considerado “absolutamente precário” pelos órgãos, tendo sido construído com lonas e estacas de madeira, o que possibilitava a entrada de cobras no local. Não havia instalações sanitárias, fiação elétrica adequada ou local apropriado para a realização de refeições. 

O empregador não fornecia o equipamento de proteção individual (EPI) ou materiais de primeiros socorros, entendidos como necessários para esse tipo de ofício. Os poucos equipamentos de segurança encontrados haviam sido comprados pelos próprios funcionários.

Além das condições precárias, também foram constatadas práticas que estimulavam o endividamento das vítimas. O custo dos bens e serviços vendidos pelo empregador era descontado do acerto, mantendo assim uma situação de dependência econômica e dívida constante.

Em reparação, o MPT firmou um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) com o empregador, determinando o pagamento de R$ 40 mil de indenização por danos morais coletivos, acrescidos de R$ 20 mil por dano moral individual. 

Junto aos valores, o TAC estabeleceu exigências a serem cumpridas, como a disponibilização de alojamentos adequados, local para refeição e alimentação. Caso as obrigações não sejam cumpridas, o acordo estabelece uma multa de R$ 30 mil.

  • Verônica Serpa

    Graduanda de Jornalismo pela UNESP e caiçara do litoral norte de SP. Acredito na comunicação como forma de emancipação para populações tradicionais e marginalizadas. Apaixonada por fotografia, gastronomia e hip-hop.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano

Na ONU, Brasil reafirma compromisso com a pauta racial no combate à violência

Mais de 80% dos modelos de campanhas publicitárias brasileiras são brancos, aponta estudo

O Quilombo

Aprovação do Dia Nacional do Funk é marco contra marginalização

Independência, liberdade e escravidão na Argentina

Clima e Meio Ambiente

Programa capacita lideranças das periferias do Rio para debates sobre questão climática

Território brasileiro pegou fogo em um a cada quatro hectares nos últimos 40 anos