Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Fundação Bienal de São Paulo anuncia camaronês como curador da 36ª edição do evento

Bonaventure Soh Bejeng Ndikung é fundador de projetos culturais e fará parte da curadoria da 36ª edição do evento que acontecerá em 2025
A imagem mostra o curador camaronês Bonaventure Soh Bejeng Ndikung, anunciado pela Fundação Bienal como membro da equipe.

Foto: Jana Edisonga / Fundação Bienal de São Paulo

28 de abril de 2024

A Fundação Bienal de São Paulo nomeou o escritor camaronês Bonaventure Soh Bejeng Ndikung como curador-chefe da 36ª edição do festival, que deve acontecer no segundo semestre de 2025, no Pavilhão Ciccillo Matarazzo.

Ndikung busca criar intersecções entre a arte e a ciência. Ele é doutor em biotecnologia e pós-doutor em biomedicina. A trajetória artística e interdisciplinar passa por práxis curatoriais com ênfase na performatividade, artes sonoras, instalativas e visuais. 

Bonaventure é fundador do SAVVY Contemporary, um projeto independente para exposições, performances e eventos culturais, além de lecionar em uma escola de arte de Berlim, na Alemanha, onde foi radicado.

Por sua visão inovadora, o camaronês foi a primeira pessoa negra e africana a dirigir um dos museus mais renomados de Berlim, o Haus der Kulturen der Welt, uma das mais importantes instituições culturais do mundo.

Em um comunicado à imprensa, Ndikung disse estar emocionado, honrado e grato por fazer parte do time de curadores da Bienal de São Paulo, que é uma das maiores, mais importantes e antigas do mundo. Segundo ele, o evento prova ser popular por ter entrada gratuita, o que não é comum em outros lugares. 

“A Bienal de São Paulo me parece um sismógrafo que não apenas registra os diferentes tremores que o mundo está experimentando socioeconômica, geopolítica e ambientalmente, mas esses registros também nos oferecem possibilidades de moldar um futuro mais justo e humanitário para todos os seres animados e inanimados deste planeta”, afirmou.

Entre as contribuições artísticas do curador está a exposição Abdias Nascimento – Being an Event of Love”, feita em Stedelijk Museum em 2022, a maior mostra dedicada à obra do brasileiro já feita em território europeu. Além de ser cocurador da exposição Um Brasil, Muitas Histórias no Sesc de São Paulo, no mesmo ano, e da exposição O Quilombismo na HKW Haus der Kulturen der Welt, em 2023.

  • Patricia Santos

    Jornalista, poeta, fotógrafa e vídeomaker. Moradora do Jardim São Luis, zona sul de São Paulo, apaixonada por conversas sobre territórios, arte periférica e séries investigativas.

    View all posts

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano