Pesquisar
Close this search box.

Paraíso do Tuiuti é vice-campeã do carnaval do Rio de Janeiro

14 de fevereiro de 2018

Carnaval fez uma crítica à escravidão e ao racismo existente no país. Samba também questionou o momento vivido pelo Brasil, de avanço das pautas neoliberais. A campeã do carnaval foi a Beija-Flor de Nilópolis.

Texto / Pedro Borges
Foto / Mídia Ninja

A Escola de Samba Paraíso de Tuiuti terminou o carnaval do Rio de Janeiro em 2° lugar, com o enredo histórico “Meu Deus, meu Deus, está extinta a escravidão?”. O desfile, com a participação do carnavalesco Jack Vasconcelos, apresentou na avenida uma crítica à escravidão, ao racismo e ao avanço do conservadorismo no Brasil. A vencedora do carnaval foi a Beija-Flor de Nilópolis com 269.6, um décimo a mais da Paraíso de Tuiuti, que ficou com 269.5.

O desfile fez da Escola de Samba Paraíso de Tuiuti ficar entre os temas mais comentados no Twitter no Brasil. O samba apresentou coreografia marcante, com um vampiro simbolizando o presidente Michel Temer, e uma comissão de frente que remetia à escravidão no país.

Com 29 alas, cinco alegorias e um tripé divididos entre 3.100 integrantes, a escola desfilou por uma hora e quinze minutos. A comissão de frente foi o ponto alto do desfile. Chamada de “O grito da liberdade”, a ala representou pessoas negras escravizadas, suas dores e sua cura por meio do Preto Velho, símbolo de esperança, fé e amor. A alegoria saiu da avenida com aplausos e gritos de “Fora Temer” do público.

Entre as referências bibliográficas utilizadas para a construção do samba enredo, estava a obra do teórico Clóvis Moura, “Dicionário da Escravidão Negra no Brasil”. Clóvis Moura é um dos principais intelectuais do movimento negro no país.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano

Na ONU, Brasil reafirma compromisso com a pauta racial no combate à violência

Mais de 80% dos modelos de campanhas publicitárias brasileiras são brancos, aponta estudo

O Quilombo

Aprovação do Dia Nacional do Funk é marco contra marginalização

Independência, liberdade e escravidão na Argentina

Clima e Meio Ambiente

Programa capacita lideranças das periferias do Rio para debates sobre questão climática

Território brasileiro pegou fogo em um a cada quatro hectares nos últimos 40 anos