Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Erradicação do trabalho escravo é tema de debate ministerial

Evento ressaltou a importância da fiscalização dos canais de denúncia para a conscientização dos trabalhadores em situações análogas a de escravidão
A imagem mostra uma criança em condições de trabalho escravo. O assunto foi tema de reunião do Ministério dos Direitos Humanos e Ministério do Trabalho e Emprego, nesta quarta-feira (31).

Foto: Ministério do Trabalho

3 de fevereiro de 2024

A  coordenadora-geral de Erradicação do Trabalho Escravo, Andreia Minduca, representou o Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC) em um evento realizado pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) em Brasília (DF). O encontro, alusivo ao Dia Nacional do Combate ao Trabalho Escravo e ao Dia Nacional do Auditor Fiscal do Trabalho, discutiu políticas públicas de erradicação do trabalho escravo e marcou os 20 anos da Chacina de Unaí (MG), quando três auditores fiscais do Trabalho e um motorista foram brutalmente executados durante uma fiscalização rural.

Durante a apresentação do programa atual de combate ao trabalho escravo no Brasil, os membros do MTE informaram que, somente em 2023, cerca de 3200 trabalhadores foram resgatados de condições análogas à escravidão no país. Andreia Minduca ressaltou a importância da fiscalização e da promoção de políticas de combate e erradicação dessa prática.

“Ainda nos deparamos com esse tipo de violação de direitos humanos. Espaços como esse são essenciais para entendermos as diversas situações e pensarmos em alternativas de políticas assertivas de combate a todo e qualquer tipo de trabalho análogo à escravidão, independentemente de onde eles aconteçam – na zona rural ou cidade”, afirmou, segundo nota ministerial.

Representando a Coordenação de Erradicação do Trabalho Escravo do MDHC, Lucia Helena Conceição de Souza, coordenadora de Apoio da Comissão Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae), destacou a importância da denúncia. “Temos que conscientizar os trabalhadores em relação aos seus direitos, para que saibam identificar qualquer tipo de abuso e denunciar. O Disque 100 está aí, vamos utilizar ao nosso favor”, defendeu.

Marina Sampaio, também da equipe, apresentou as ações do ministério sobre a pauta, incluindo capacitação, organização de eventos e campanhas, identificação de formas de atendimento especializado às vítimas de trabalho escravo doméstico e promoção da implementação de abrigamento adequado às vítimas.

No evento, o cineasta Renato Barbieri, diretor do documentário ‘Servidão’, que retrata trabalho análogo a escravidão contemporânea no Brasil, apresentou destaques do filme, que chega este mês às salas de cinema do país.

  • Giovanne Ramos

    Jornalista multimídia formado pela UNESP. Atua com gestão e produção de conteúdos para redes sociais. Enxerga na comunicação um papel emancipatório quando exercida com responsabilidade, criticidade, paixão e representatividade.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano