Pesquisar
Close this search box.

Projeto de educação cívico-militar é aprovado em SP em meio à repressão policial

Impedidos de acompanhar a votação na Alesp, estudantes foram agredidos e detidos por se manifestarem contrários ao projeto
A imagem mostra um cordão da Polícia Militar barrando um jovem manifestante na Alesp.

Foto: Lucas Martins / Mídia Ninja

22 de maio de 2024

A Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) aprovou, na terça-feira (21), a criação do Programa Escola Cívico-Militar na rede pública de ensino, com 54 votos favoráveis e 21 contrários. O projeto foi apresentado pelo  governador Tarcísio de Freitas (Republicanos).

O Projeto de Lei Complementar 09/2024 determina que o programa pode ser implementado em escolas a serem construídas ou em unidades já integrantes da rede de ensino. A Secretaria Estadual de Educação e a Secretaria de Segurança Pública articularão juntas as atividades cívico-militares que irão compor o planejamento.

A proposta prevê a criação de um núcleo civil, que será responsável pela gestão pedagógica e administrativa, e de um núcleo militar, que desenvolverá as atividades extracurriculares de natureza cívico-militar, além de “garantir a segurança e a disciplina dentro das unidades”.

O núcleo civil será composto por professores e gestores pedagógicos ligados à Secretaria Estadual de Educação. Já o militar, será formado por policiais da reserva, que atuarão como monitores do programa.

A medida será direcionada às escolas que possuem baixos índices de rendimento, atrelados a taxas de vulnerabilidade social e fluxo escolar, considerando índices de aprovação, reprovação e abandono.

Antes de ser implementado, serão realizadas consultas prévias públicas para que a população possa aceitar ou recusar a implementação do modelo. Não poderão ser incluídas na política as escolas que possuem ensino noturno ou instituições rurais, indígenas, quilombolas ou conveniadas. 

Repressão policial a estudantes

A sessão de votação na Alesp foi marcada por forte repressão policial. A participação de estudantes contrários à aprovação foi impedida pela tropa de choque da Polícia Militar de São Paulo (PMSP), que reprimiu com violência os jovens.

Um vídeo pulicado no X (antigo Twitter) pela União Nacional dos Estudantes (UNE) compila momentos onde a polícia age com truculência e agride os manifestantes. 

Além do uso de spray de pimenta e golpes de cassetete, as imagens mostram os policiais imobilizando os estudantes no chão.  

O deputado estadual Eduardo Suplicy (PT-SP) se manifestou sobre o ocorrido. Em postagem na rede social, Suplicy informa que tentou mediar o entendimento com os PMs, mas também foi alvo da truculência dos policiais.

Segundo o deputado, dos estudantes detidos pela polícia, cinco foram levados para audiência de custódia e indiciados por associação criminosa, resistência, corrupção de menores e lesão corporal.

  • Verônica Serpa

    Graduanda de Jornalismo pela UNESP e caiçara do litoral norte de SP. Acredito na comunicação como forma de emancipação para populações tradicionais e marginalizadas. Apaixonada por fotografia, gastronomia e hip-hop.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano