Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Violência da polícia é tema principal de agenda de movimentos com Anielle Franco

Grupo de senegaleses participaram do encontro e pediram solidariedade diante da violência policial sofrida na capital; cotas raciais também foram debatidas
Anielle Franco em agenda com o movimento negro em São Paulo, 29 de abril de 2024

Foto: Pedro Borges/Alma Preta

30 de abril de 2024

Anielle Franco, ministra da Igualdade Racial (MIR), participou de encontro com cerca de 100 ativistas de movimento negro durante a tarde da terça-feira (30), na sede da Ação Educativa, centro de São Paulo.

O encontro, organizado pela Uneafro Brasil e o Movimento Negro Unificado (MNU), foi uma escuta da ministra dos desafios enfrentados pelos movimentos sociais e uma forma do MIR compartilhar os avanços da pasta. O debate foi mediado por Simone Nascimento, codeputada estadual da Bancada Feminista (PSOL) por São Paulo, e Débora Dias, covereadora pelo Quilombo Periférico (PSOL) na capital paulista.

“Para a gente, a escuta é primordial, porque a gente tem que saber sempre para onde vai, com quem vai. E é a oportunidade da gente compartilhar algumas vitórias como a renovação da lei de cotas e o programa Juventude Negra Viva”, contou a ministra. O programa para enfrentar a mortalidade de jovens negros foi lançado em 21 de março e conta com um pacote de R$ 600 milhões para a iniciativa.

A codeputada estadual da Bancada Feminista (PSOL) por São Paulo Simone Nascimento, durante evento do movimento negro em São Paulo, 29 de abril de 2024
A codeputada estadual da Bancada Feminista (PSOL) por São Paulo Simone Nascimento, durante evento do movimento negro em São Paulo, 29 de abril de 2024 (Pedro Borges/Alma Preta)

Depois da abertura feita pelo cofundador da Uneafro Brasil Douglas Belchior, os convidados iniciaram falas breves, com temas diversos, com destaque para casos de violência policial no estado.

Ouvidor das polícias de São Paulo, Claudinho Silva contou sobre os desafios enfrentados com a violência na Baixada Santista. Ele afirmou que, apesar do pacto federativo e da polícia ser de responsabilidade dos governos estaduais, sente a falta do governo federal mais atuante na agenda. Silva citou a possibilidade de intervenções por meio de políticas de infraestrutura na região, em especial nos bairros mais violentados pela polícia.

O cofundador da Uneafro Douglas Belchior, fala durante evento do movimento negro em São Paulo, 29 de abril de 2024
O cofundador da Uneafro Douglas Belchior, fala durante evento do movimento negro em São Paulo, 29 de abril de 2024 (Pedro Borges/Alma Preta)

Representantes da comunidade senegalesa também participaram do encontro para denunciar a morte de Seringe Mbaye, de 38 anos, morto na noite do dia 23 de abril, depois de uma ação policial no prédio em que morava e de onde caiu e faleceu. Os ativistas presentes no encontro pediram apoio para enfrentar a situação e relataram que esse não é um caso isolado de abuso policial contra imigrantes senegaleses.

Os policiais afirmam que receberam uma denúncia de que o prédio abrigava uma série de celulares roubados e que, ao chegar ao local, Mbaye se jogou do edifício. O Ministério dos Direitos Humanos pediu para a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo investigar as razões da morte por considerar as condições como suspeitas.

Representantes da comunidade senegalesa, ao lado da ministra da Igualdade Racial, Marielle Franco, denunciam a morte de Seringe Mbaye; ato ocorreu durante encontro do movimento negro em São Paulo, 29 de abril de 2024
Representantes da comunidade senegalesa, ao lado da ministra da Igualdade Racial, Marielle Franco, denunciam a morte de Seringe Mbaye; ato ocorreu durante encontro do movimento negro em São Paulo, 29 de abril de 2024 (Pedro Borges/Alma Preta)

Ao final do encontro, a secretária executiva do MIR, Roberta Eugênio, contou sobre os desafios ainda colocados para a Lei de Cotas, os avanços da pauta e o entendimento por parte da pasta de que as ações afirmativas são uma prioridade por parte da pasta.

Na semana passada, no dia 24 de abril, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou a proposta do senador Paulo Paim (PT-RS) por unanimidade de ampliação das vagas para negros, indígenas e quilombolas em concursos públicos de 20% para 30% e a prorrogação da proposta em dez anos. Agora a iniciativa segue para a Câmara dos Deputados.

  • Pedro Borges

    Pedro Borges é cofundador, editor-chefe da Alma Preta. Formado pela UNESP, Pedro Borges compôs a equipe do Profissão Repórter e é co-autor do livro "AI-5 50 ANOS - Ainda não terminou de acabar", vencedor do Prêmio Jabuti em 2020 na categoria Artes.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano