Pesquisar
Close this search box.

Acesso à tecnologia no ensino básico ainda é desigual entre alunos brancos e negros, diz pesquisa

Levantamento realizado pelo Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper) demonstrou que estudantes brancos possuem 57% a mais de acesso à tecnologias do que pretos e pardos
A foto mostra um aluno negro lendo um livro em sala de aula.

Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil

30 de junho de 2024

A recente pesquisa “Tecnologia e Desigualdades Raciais no Brasil”, desenvolvida pelo Núcleo de Estudos Raciais do Instituto de Ensino e Pesquisa (NERI-INSPER), demonstrou as diferenças enfrentadas por alunos pardos e pretos no acesso aos recursos tecnológicos nas escolas brasileiras.

Realizada com o apoio da Fundação Telefônica Vivo, a pesquisa considerou a presença de infraestrutura adequada nas escolas e o uso pelos professores para fins pedagógicos. 

O estudo apontou que estudantes brancos possuem 57% a mais de acesso à tecnologia nas escolas de ensino básica em comparação aos alunos pardos (49%) e pretos (50%). Como recursos tecnológicos, foram considerados conexão banda larga, internet com acesso para atividades escolares, laboratórios de ciência e informática e computadores.

Se levado em conta as disparidades regionais e estruturais entre escolas públicas e privadas, as diferenças se aprofundam ainda mais. Ao mesmo tempo que 64% dos estudantes brancos de instituições privadas de ensino da região Sul do país têm acesso a uma infraestrutura tecnológica, somente 40% dos alunos pretos da rede pública nordestina possuem as mesmas condições. Nesse recorte, pardos representaram 42%.

No que se refere ao ensino superior, o levantamento pontuou um aumento entre os alunos negros matriculados. Em 2009, os negros representavam apenas 34% dos matriculados na universidade, já em 2022, esse percentual teve um crescimento de 12 pontos, atingindo 46%.

A publicação aponta que 90% desse crescimento foi impulsionado pelo aumento de negros matriculados nas instituições privadas de ensino. 

Porém, apesar de apresentar um aumento em todos os cursos, a porcentagem sofre uma queda significativa quando considerado os cursos de Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática. Neles, os alunos negros representam 42% dos matriculados, uma diferença de 13,7% em relação aos estudantes brancos.

“O Estado pode perpetuar desigualdades de várias formas, incluindo com disparidades nos investimentos na infraestrutura escolar. Ao oferecer aos negros menos acesso à tecnologia, o Estado se torna uma fonte relevante de reprodução das desigualdades educacionais e socioeconômicas preexistentes”, aponta Michael França, coordenador do NERI, em nota à imprensa.

O documento faz cinco recomendações para a criação e fortalecimento de políticas públicas que visem a redução dessa desigualdade, entre elas a necessidade do fortalecimento de políticas federais para o combate às disparidades e investimentos consistentes nas infraestruturas escolares. 

O grupo ainda sugere a criação de um percentual mínimo de alunos ou bolsistas negros em cada curso do ensino superior para condicionar o acesso das instituições a subsídios do governo e programas de fomento.

  • Verônica Serpa

    Graduanda de Jornalismo pela UNESP e caiçara do litoral norte de SP. Acredito na comunicação como forma de emancipação para populações tradicionais e marginalizadas. Apaixonada por fotografia, gastronomia e hip-hop.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano

Na ONU, Brasil reafirma compromisso com a pauta racial no combate à violência

Mais de 80% dos modelos de campanhas publicitárias brasileiras são brancos, aponta estudo

O Quilombo

Aprovação do Dia Nacional do Funk é marco contra marginalização

Independência, liberdade e escravidão na Argentina

Clima e Meio Ambiente

Programa capacita lideranças das periferias do Rio para debates sobre questão climática

Território brasileiro pegou fogo em um a cada quatro hectares nos últimos 40 anos