Pesquisar
Close this search box.

Criados por jovens das periferias, ‘rolezinhos’ foram investigados por governo Dilma

Agência revelou recentemente que jovens periféricos e negros foram perseguidos pelo governo federal como se representassem algum perigo à segurança do país; “Fiquei horrorizado ao saber que o governo me via como terrorista”

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Joel Silva

6 de abril de 2021

Os jovens das periferias sempre encontraram formas criativas para se relacionar e se divertir. Em 2013, a onda era conhecer os “famosinhos do Facebook”, paquerar e matar o tempo nos chamados “rolezinhos”. Com pouco ou nenhum dinheiro nos bolsos e cheios de hormônios, como qualquer adolescente, eles marcavam encontros, geralmente, em shoppings.

Em São Paulo, os encontros, entre 2013 e 2014, irritaram os donos dos centros comerciais, a polícia e a prefeitura, que precisou negociar alternativas para tirar os jovens das periferias dos shoppings. Segundo reportagem da agência Fiquem Sabendo, elaborada com base na LAI (Lei de Acesso à Informação) e publicada em março de 2021, os rolezinhos também estavam no radar do governo federal.

A Coordenação-Geral de Inteligência, órgão ligado à Secretaria Nacional de Segurança Pública, do governo Dilma Rousseff (PT), fez uma investigação e produziu um relatório sobre os rolezinhos.

O governo via um risco na união entre jovens periféricos, na sua maioria negros, com movimentos sociais em uma possível onda de protestos, atos de vandalismo e confrontos contra a Copa do Mundo de Futebol que aconteceria alguns meses depois no Brasil.

O relatório dava conta que os jovens eram injustamente perseguidos, em alguns casos agredidos, pela polícia e por seguranças de shoppings, mas a centralidade da investigação era descobrir o potencial de risco para o evento esportivo.

“Fiquei horrorizado ao saber que o governo me via como terrorista”

“Vinha gente de todos os lugares. Para gente que marcava era uma alegria, ver 8 mil, 10 mil lá, mas para os shoppings era um transtorno. Na verdade, eles não queriam a gente porque éramos pobres. Fiquei horrorizado, muito magoado, ao saber que até o governo, que eu gostava, via a gente como terrorista, facção ou algum tipo de criminoso”, conta Dudu Bervelyhills, 27 anos, que atualmente é  presidente do Instituto “Rolezinho, A Voz do Brasil”, em Ermelino Matarazzo, na Zona Leste de São Paulo.

Para quem não se lembra, os rolezinhos eram fruto de uma grande repercussão boca-a-boca e de postagens nos perfis dos “famosinhos”, que também eram jovens periféricos embalados pela música funk e uma estética de se vestir e comportar.

“Para ser famosinho, tinha que ter aparelho nos dentes com aqueles negocinhos coloridos que tiravam daqueles fiapos da vassoura e colocavam no aparelho. Tinha que ser bonito, ter boas fotos de ângulos diferentes e muitos seguidores”, explica Dudu.

Segundo Darlan Mendes, que hoje é ativista de Direitos Humanos e foi organizador de rolezinhos, a juventude periférica tem direito de se expressar livremente. Darlan e Dudu estavam no pequeno grupo de jovens que criou o primeiro rolezinho, para o dia 8 de dezembro de 2013, às 14h, no shopping Itaquera, na Zona Leste da capital paulista.

“A partir das 13h já tinha gente chegando. Veio muito mais do que a gente podia imaginar. O shopping fechou as portas, deu polícia, foi assunto em todos os lugares. Depois a prefeitura tentou organizar os eventos, chamou a gente para apresentar projetos e parcerias. Fizemos 93 eventos para jovens, mas poderia ter sido muito mais se o dinheiro que disseram que iriam aplicar tivesse mesmo sido usado nos eventos. Infelizmente, sempre tem corrupção e desvios”, comenta Dudu.

Outro lado

A Alma Preta entrou em contato com o PT e com ministros que fizeram parte da equipe do governo Dilma Rousseff em 2013 e 2014 para falarem sobre a investigação secreta a respeito dos rolezinhos.

O ex-ministro Aloizio Mercadante, da Casa Civil, enviou uma nota dizendo que “a diretriz do governo Dilma para o atendimento aos jovens foi de promoção de ações afirmativas que promoveram um amplo processo de inclusão educacional e reparação de direitos”.

A nota cita como exemplos: o Fies, o Prouni, o Pronatec, o Ciências sem Fronteiras, a lei de cotas para ingresso nas universidades públicas e para o serviço público.

dilma 2

Foto: Reprodução/Facebook

Mercadante disse também que como ex-ministro desconhece “qualquer iniciativa coordenada pelo centro de governo [Dilma] para monitoramento de encontro de jovens de periferia em shoppings”. No entanto, o relatório faz menção à investigação tanto das “buscas” na internet pelo termo rolezinho como nos eventos marcados nas cidades que teriam jogos na Copa.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano