Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Mortalidade infantil entre indígenas é 2 vezes maior que a média geral no Brasil, diz estudo

Os dados revelam ainda que os indígenas enfrentam condições inadequadas de vida
Imagem mostra dezenas de crianças indígenas sentadas em círculo.

Foto: Fernando Fernandes

12 de abril de 2024

A taxa de mortalidade das crianças indígenas de até quatro anos é mais que o dobro daquela registrada entre o restante da população infantil do Brasil. A informação é do estudo produzido pelo Núcleo Ciência Pela Infância (NCPI), organização que mobiliza pesquisadores de diferentes áreas com o apoio de instituições científicas. O estudo não divulgou um comparativo direto com crianças negras.

Intitulado “Desigualdades em saúde de crianças indígenas”, o documento revelou os dados do período entre 2018 e 2022. No último ano da série, para cada mil nascidos vivos entre os indígenas, 34,7 crianças com até quatro anos morreram. A taxa é 2,44 vezes maior do que o restante da população brasileira. Entre as crianças não indígenas, houve 14,2 mortes para cada mil nascidos vivos em 2022.

A situação é semelhante também nos outros anos da série. A pesquisa mostra que a taxa de mortalidade entre os indígenas permanece mais de duas vezes superior à do restante da população. 

A menor diferença foi observada em 2020, quando a taxa de mortalidade infantil entre os indígenas foi de 29,6 mortes por mil nascidos vivos. A cifra é 2,4 vezes maior que a taxa de 12,3 registrada para o restante da população.

Além das taxas de mortalidade, os dados revelam que os indígenas enfrentam condições inadequadas de vida, o que está em desacordo com as metas estabelecidas pela Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU).

Aprovada durante uma assembleia realizada em 2015, com a participação de 193 países, o plano estabelece 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para erradicar a pobreza e promover um mundo melhor para todos os povos e nações até 2030.

No caso da mortalidade de crianças menores de cinco anos, a meta é reduzi-la para menos de 25 mortos por mil nascidos vivos. “Apesar de este patamar já ter sido alcançado pelas crianças não indígenas brasileiras, ele ainda é uma realidade distante da população indígena do país“, registra o estudo.

Em relação às causas das mortes de indígenas com até os quatro anos ocorridas em 2022, as doenças respiratórias responderam por 18% e as doenças infecciosas apontaram 14%. No restante da população dessa faixa etária, esses percentuais foram bem inferiores, respectivamente 7% e 6%. 

Com base nesses dados, as pesquisadoras destacam as enfermidades, o aumento da exposição a doenças devido a agressões ao meio ambiente e a insuficiência de profissionais de saúde como um fator de risco significativo. “Em termos proporcionais, percebe-se que crianças indígenas morrem mais por doenças evitáveis que as não indígenas”, registraram.

  • Mariane Barbosa

    Curiosa por vocação, é movida pela paixão por música, fotografia e diferentes culturas. Já trabalhou com esporte, tecnologia e América Latina, tema em que descobriu o poder da comunicação como ferramenta de defesa dos direitos humanos, princípio que leva em seu jornalismo antirracista e LGBTQIA+.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano