Pesquisar
Close this search box.

Museu do Futebol reabre com foco no esporte feminino e combate ao racismo

Espaço localizado no antigo Estádio do Pacaembu ganha novas salas, acessibilidade e homenagens a Pelé e Marta
Uma foto da lenda do futebol brasileiro Pelé é retratada no Museu do Futebol de São Paulo, em 10 de julho de 2024. O Museu reabre ao público em 12 de julho de 2024, após reformas e instalação do espaço "Mulheres no Futebol", que conta como as brasileiras continuam jogando, mesmo sob a proibição do futebol feminino instituída pelo ex-presidente Getúlio Vargas, que vigorou entre 1941 e 1979.

Foto: Miguel Schincariol/AFP

11 de julho de 2024

O Museu do Futebol, localizado na Arena Pacaembu, em São Paulo (SP), reabre suas portas nesta sexta-feira (12) após mais de oito meses de reformas, trazendo um novo enfoque na diversidade, inclusão e acessibilidade. Com novas salas e recursos aprimorados, o museu agora dedica um espaço especial ao ex-jogador Edson Arantes do Nascimento, Pelé, e dá maior visibilidade ao futebol feminino.

Os visitantes são recepcionados logo na entrada pelo “Rei Pelé”, que faleceu em 2022. Ao final do percurso, a jogadora Marta, considerada seis vezes a melhor do mundo, se despede dos visitantes projetada em tamanho natural e falando em quatro idiomas: português, inglês, espanhol e libras.

Inaugurado em 2008 no estádio do Pacaembu, o Museu do Futebol sempre apresentou o esporte mais famoso do mundo como parte essencial da identidade nacional brasileira. No entanto, antes da reforma, a história do futebol feminino no Brasil não era devidamente representada. Agora, as façanhas de jogadoras como Marta ganham destaque, juntamente com ícones masculinos como Pelé, Garrincha, Ronaldinho e Neymar.

A reforma também trouxe a criação da Sala Pelé, dedicada exclusivamente à trajetória do atleta, com fotografias, vídeos e uma coroa que simboliza sua majestade no esporte.

Uma mulher tira fotos durante visita ao Museu do Futebol, em São Paulo, no dia 10 de julho de 2024. (Miguel Schincariol/AFP)

A presença feminina foi expandida em várias áreas do museu. Na Sala das Origens, imagens raras mostram mulheres brasileiras jogando futebol desde 1920, destacando a longa história do futebol feminino no país. A fachada do museu também foi decorada em preparação para a Copa do Mundo de Futebol Feminino de 2027, que será realizada no Brasil.

Marília Bonas, diretora técnica do museu e uma das curadoras, destacou a importância dessa renovação. “O que vemos hoje é uma renovação em que as mulheres estão igualmente representadas aos homens no Brasil. O futebol feminino foi proibido por 40 anos e isso ajuda a explicar por que aqui, no país do futebol, o futebol feminino não é tão valorizado quanto o masculino“, disse à Agence France-Presse (AFP).

Além disso, a reforma aborda questões de direitos humanos, incluindo racismo e xenofobia, que são problemas presentes no futebol mundial. Leonel Kaz, outro curador do museu, afirmou: “É um museu da história do Brasil contada por uma paixão, o futebol. É um museu de uma história antropológica, sociológica e etnográfica do povo brasileiro.”


O Museu do Futebol oferece entrada gratuita às terças-feiras. Em comemoração à sua renovação, a entrada também será gratuita nos dias 12, 13 e 14 de julho. Para mais informações, visite o site oficial.

  • Giovanne Ramos

    Jornalista multimídia formado pela UNESP. Atua com gestão e produção de conteúdos para redes sociais. Enxerga na comunicação um papel emancipatório quando exercida com responsabilidade, criticidade, paixão e representatividade.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano