Olimpíadas 2024

Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Ofícios e saberes das parteiras é reconhecido como patrimônio nacional

De acordo com o Iphan, as parteiras possuem um papel fundamental na continuidade da ancestralidade
: Parteira realizando atendimento em uma mulher grávida.

Foto: Reprodução / Iphan

15 de maio de 2024

O conselho consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) reconheceu o Ofício, Saberes e Práticas das Parteiras Tradicionais do Brasil como Patrimônio Cultural do País

O ofício será registrado junto a outros bens culturais imateriais que viraram patrimônios nacionais, como o Ofício das Baianas de Acarajé e o Sistema Agrícola Tradicional das Comunidades Quilombolas do Vale do Ribeira. 

O Iphan destaca que, diferente de outras manifestações características regionais, os Saberes e Práticas das Parteiras Tradicionais do Brasil correspondem a uma realidade presente em todo o território nacional, com um repertório transmitido geracionalmente que mescla conhecimentos tradicionais, religiosos e biomédicos.

São mulheres que, de acordo com o Instituto, são fundamentais para dar continuidade a uma história ancestral, atuando principalmente em zonas periféricas e grupos tradicionais, como comunidades quilombolas e indígenas.

Segundo o órgão, limitar o papel das parteiras à assistência no nascimento de crianças é reduzir sua importância.  Um dossiê, produzido em 2021 junto a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), as descreve como “mestras do ofício do partejar, detentoras de um repertório de saberes e práticas acerca de todas as etapas da gestação (pré-natal, parto e pós-parto)”. 

O documento entende que as parteiras estendem sua atuação para uma ideia de atendimento “contínuo, integral e holístico”, que também inclui processos fitoterápicos, prescrição alimentares, preventivas e curativas, mediação religiosa e regimes de conduta social.

A coordenadora de Registro e Revalidação do Departamento de Patrimônio Imaterial (DPI) do Iphan, Marina Duque, explica que a participação das parteiras vai além da gestação, tornando-se muitas vezes lideranças comunitárias.

O pedido para tornar o Ofício e Saberes das Parteiras Tradicionais em Patrimônio Cultural já havia sido solicitado ao órgão em 2011, mas foi negado. O Iphan considerou que o registro de patrimônio não era o instrumento mais adequado para a proteção de tais saberes. Na época, foi considerado um possível conflito de saberes entre as parteiras e os médicos tradicionais.

Em 2015, a então deputada federal Janete Capiberibe (PSB-AP) solicitou novamente ao DPI, que reconsiderou as questões. O órgão entendeu que os valores representados pelas parteiras tradicionais não estão no âmbito da saúde pública, mas sim nas práticas culturais de comunidades brasileiras disseminadas por todo o território nacional.

  • Verônica Serpa

    Graduanda de Jornalismo pela UNESP e caiçara do litoral norte de SP. Acredito na comunicação como forma de emancipação para populações tradicionais e marginalizadas. Apaixonada por fotografia, gastronomia e hip-hop.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano