Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Portela ganha Estandarte de Ouro por enredo de luta contra o racismo

A escola enalteceu a trajetória das mulheres negras dentro da sociedade brasileira Inspirada na obra "Um Defeito de Cor"
A imagem mostra Jackeline Oliveira, mãe de Kathlen Romeu, prestando homenagem à filha durante desfile da Portela na madrugada de terça-feira (13), na Sapucaí.

Foto: Reprodução

13 de fevereiro de 2024

A Portela conquistou o título de melhor escola do Grupo Especial no Estandarte de Ouro 2024 e melhor enredo, em uma cerimônia marcada pela celebração da cultura afro-brasileira. A agremiação do Rio de Janeiro, que desfilou como a segunda escola na noite de segunda-feira (11), apresentou o enredo “Um Defeito de Cor”, baseado no livro de Ana Maria Gonçalves, que retrata a vida de Luísa Mahin, figura significativa na história do Brasil.

O desfile da Portela foi uma homenagem à luta das mulheres negras no país, contando a história das “negras mães de todos nós”. Com profundidade reflexiva, a escola mergulhou na trajetória dessas mulheres, explorando questões como identidade e luta dentro da sociedade brasileira.

Durante a votação, os jurados destacaram a emoção que o desfile da escola passou. O enredo provocou emoções intensas e debates sobre a história e a cultura afro-brasileira, levantando questionamentos como “Por que somos? Por que assim fazemos? Por quem lutamos? Em memória do que?”.

A Portela levou ainda o prêmio de personalidade para Vilma Nascimento, porta-bandeira histórica da agremiação, que já tinha levado quatro estandartes de melhor porta-bandeira (1977, 1978, 1979 e 1989) e um de destaque feminino (1982).

Homenagem às mães de vítimas da violência

Um dos pontos altos do desfile da Portela foi a homenagem às mães de vítimas da violência no Rio de Janeiro. A escola fechou a sua passagem pela Marquês de Sapucaí com 16 mulheres no último carro, entre elas Marinete Franco, mãe da vereadora Marielle Franco, e Jackeline Oliveira, mãe de Kathlen Romeu — jovem que estava grávida e foi assassinada pelas forças policiais em 2021.

Todas elas levaram objetos como camisetas com fotos que lembram os filhos e exibiram durante o desfile. A participação das mães foi organizada pela coordenadora do Observatório das Favelas, Thaís Gomes. Em entrevista ao O Globo, ela explicou que as mulheres representam Luisa Mahin (ou Kehinde) do livro de Ana Maria Gonçalves.

Personalidades participaram do desfile

Personalidades conhecidas pelo público marcaram presença no desfile da Portela. O ator Lázaro Ramos e o ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, representaram a figura de Luís Gama, filho de Luísa Mahin e considerado o patrono da abolição da escravatura do Brasil. As atrizes Taís Araújo e Sheron Menezzes e o humorista Paulo Vieira também estiveram presentes.


Nas redes sociais, Silvio Almeida parabenizou a escola pela história contada. “História de mães e filhos que se perdem nas tramas de uma sociedade racista que prende, rouba e mata. Ao fim, filho e mãe se reencontram. Luís Gama, Omotunde, guarda a memória da mãe e continua seu legado. Que a história do povo preto seja sempre consagrada como a Portela soube fazer”, publicou o ministro.

  • Giovanne Ramos

    Jornalista multimídia formado pela UNESP. Atua com gestão e produção de conteúdos para redes sociais. Enxerga na comunicação um papel emancipatório quando exercida com responsabilidade, criticidade, paixão e representatividade.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano