Pesquisar
Close this search box.

MPF investiga denúncia de exclusão de mulheres trans em cursos profissionalizantes do MEC

Secretaria do Estado da Mulher do Acre informou que o sistema utilizado no Programa Mulheres Mil não consegue matricular mulheres trans que não retificaram seus nomes
Imagem mostra uma estátua da justiça segurando uma balança.

Foto: Reprodução / Pexels

10 de julho de 2024

O Ministério Público Federal (MPF) iniciou um processo administrativo para investigar uma denúncia de que mulheres trans estariam sendo impedidas de se inscrever em cursos profissionalizantes ofertados no Programa Mulheres Mil, do Ministério da Educação (MEC), no Acre.

O programa federal em questão oferta capacitação profissional gratuita para mulheres em situação de vulnerabilidade. Em maio, os cursos ofereceram cerca de 1.117 vagas no estado, em áreas como assistência administrativa, financeira, cuidado infantil, entre outros.

A denúncia foi encaminhada ao MP pela Secretaria do Estado da Mulher (Semulher) e alega que o Instituto Estadual de Educação Profissional e Tecnológica (Ieptec), responsável pela execução do programa na região, não tem conseguido matricular mulheres trans que ainda não retificaram seus nomes.

No comunicado, a Semulher notificou que o sistema do MEC só aceita nomes considerados femininos no formulário de inscrição. O procedimento de apuração foi instaurado por Lucas Costa Almeida Dias, procurador regional dos Direitos do Cidadão no Acre.

Em nota do Ministério, Dias reforçou que o uso do nome social é assegurado no âmbito da administração pública federal e estadual, e que tais garantias justificam a averiguação da “possível violação de direitos” relatadas pelo órgão estadual.

Por meio de ofício, o MPF determinou o prazo de até dez dias para que o Ieptec informe sobre a suposta negativa de inscrição de pessoas trans nas formações do programa ofertados na instituição. 

O documento ainda destacou que, de acordo com decisão liminar proferida em Ação Civil Pública, a União deve adotar modelo da nova carteira de identidade, sem o campo “sexo” e com previsão do campo “nome”, sem distinção entre “nome social” e “nome civil”.

O órgão informou que irá analisar as medidas cabíveis para a solução do caso após o recebimento das informações solicitadas.

  • Verônica Serpa

    Graduanda de Jornalismo pela UNESP e caiçara do litoral norte de SP. Acredito na comunicação como forma de emancipação para populações tradicionais e marginalizadas. Apaixonada por fotografia, gastronomia e hip-hop.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano

Na ONU, Brasil reafirma compromisso com a pauta racial no combate à violência

Mais de 80% dos modelos de campanhas publicitárias brasileiras são brancos, aponta estudo

O Quilombo

Aprovação do Dia Nacional do Funk é marco contra marginalização

Independência, liberdade e escravidão na Argentina

Clima e Meio Ambiente

Programa capacita lideranças das periferias do Rio para debates sobre questão climática

Território brasileiro pegou fogo em um a cada quatro hectares nos últimos 40 anos