Pesquisar
Close this search box.

Curso de moda com referências afro-indígenas abre inscrições na Bahia

Aulas de corte e costura, modelagem, estamparia, jóias em metais, biojoias e crochê acontecem em Cachoeira (BA); inscrições vão até 26 de julho
Imagem mostra três jovens negras com adereços e vestimentas afro-indígenas.

Foto: Natie Paz

9 de julho de 2024

A Àbámodá, primeira escola gratuita de moda, arte e cultura da Bahia, está com inscrições abertas até o dia 26 de julho para empreendedores que tenham interesse na área de moda. Serão ofertados seis cursos formativos: corte e costura, modelagem, estamparia, jóias em metais, biojoias e crochê, todos ancorados em referências étnicas e identitárias afro-indígenas. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas online.

As aulas acontecem semanalmente, em Cachoeira (BA), a partir do dia 7 de agosto, e duram em média cinco meses. Para cada curso serão disponibilizadas vagas em duas turmas: uma na sede da Àbámodá, localizada no centro da cidade, e outra no Quilombo Engenho da Ponte. Jovens e adultos de todos os gêneros, a partir de 16 anos, de qualquer território baiano podem se inscrever para participar do processo seletivo. O projeto também abre espaço para mães adolescentes, a partir de 14 anos, desde que estejam matriculadas e assíduas na escola.

Esta é a primeira fase do projeto, que ainda vai disponibilizar aulas voltadas para áreas da gestão como finanças, vendas, comunicação e marketing. A próxima fase contribui na produção e exposição das peças criadas pelos alunos, além de selecionar aqueles que desejem empreender na área para participarem de um estágio laboral e processo de incubação. Nesta fase final, será realizada uma análise técnica para investir recursos financeiros de acordo com a demanda de cada negócio.

A escola nasceu da experiência de mais de 20 anos da pesquisadora e gestora cultural, Luísa Mahin, que desde 2022 propõe e estuda metodologias para qualificação profissional e geração de renda voltadas para mulheres e comunidades afro-indígenas da Bahia. “Queremos fomentar sonhos, proporcionar perspectivas de vida, de trabalho e renda, através da economia criativa e identitária”, afirma.

Metodologia focada na identidade étnica-territorial

“Àbámodá” é uma palavra iorubá que significa “o que você deseja, você faz” e também nomeia uma planta conhecida como “Folha da Fortuna”. A coordenadora Luísa Mahin explica que a metodologia foca no ser integral, contemplando sua relação com o trabalho, identidade, cultura e propósito pessoal. 

Em sua trajetória, Luísa percebeu que apenas a formação técnica não era suficiente para impulsionar os negócios dos alunos, principalmente em relação a um público socialmente vulnerável. “Identifiquei outras necessidades como rede de apoio, fortalecimento emocional e recursos para iniciar seus empreendimentos. Por isso, nós também vamos trabalhar com ferramentas terapêuticas e rodas de conversa, realizar estágio remunerado e, para quem optar em empreender na área, vamos ter esse investimento semente direcionado para construção do planejamento de cada negócio”, conta.

A metodologia também passa por pesquisas de identidade e estudos sobre referências étnicas. “Vamos pesquisar os produtos naturais do território para usar nos tingimentos; pensar nos elementos, iconografias e grafismos indígenas e africanos para a produção de estampas, entender como a cultura local pode estar presente em cada peça. Queremos acessar nossas memórias e histórias, para criar produtos que falam disso”, conclui Luísa.

O projeto, realizado pelo Instituto Casa de Barro e pelo Governo Federal, por meio do Ministério da Cultura  (MinC) e da Secretaria de Formação Cultural, Livro e Leitura (Sefli), integra o conjunto de ações do Programa Olhos D’água – da Rede Nacional das Escolas Livres de Formação em Arte e Cultura.

  • Redação

    A Alma Preta é uma agência de notícias e comunicação especializada na temática étnico-racial no Brasil.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano

Na ONU, Brasil reafirma compromisso com a pauta racial no combate à violência

Mais de 80% dos modelos de campanhas publicitárias brasileiras são brancos, aponta estudo

O Quilombo

Aprovação do Dia Nacional do Funk é marco contra marginalização

Independência, liberdade e escravidão na Argentina

Clima e Meio Ambiente

Programa capacita lideranças das periferias do Rio para debates sobre questão climática

Território brasileiro pegou fogo em um a cada quatro hectares nos últimos 40 anos