Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Coleção de bolsas produzida por detentas do Maranhão vai homenagear figuras negras

O Brasil tem a terceira maior população carcerária feminina do mundo e a maioria dessas mulheres são negras
Imagem mostra mãos de uma pessoa idosa bordando em tecido.

Foto: Elio Santos/Unsplash

23 de outubro de 2023

O negócio social Tereza lancará uma coleção de bolsas produzida por detentas da cooperativa Cuxá, que fica na Unidade Penitenciária Feminina do Maranhão, no Complexo Penitenciário de São Luís. A linha vai homenagear figuras negras em alusão ao Dia da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro.

O objetivo é enaltecer mulheres negras apagadas, pioneiras, guerreiras e desbravadoras que fizeram a diferença em suas épocas, entre elas Tereza de Benguela, que deu nome a marca e inspirou gerações através da força do trabalho em comunidade. Maria Firmina dos Reis, Alcione, Luiza Mahin e Simone André Diniz também serão homenageadas.

“A questão racial é um tema muito relevante para a Tereza, já que o Brasil tem a terceira maior população carcerária feminina do mundo e a maioria destas mulheres é negra”, diz o negócio social, se referindo ao dado do o Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

Para retratá-las, os produtos serão feitos a partir da técnica de bordado sobre algodão e os temas aplicados em bolsinhas que mostrem, de forma delicada, os rostos fortes destas cinco mulheres.

A curadoria da coleção foi feita pela professora Cleide Aparecida Vitorino, e as ilustrações e direcionamento de bordados pela artista Mitti Mendonça, ambas mulheres negras.

Imagem mostra bordado com desenho de Tereza de Benguela.
Foto: Divulgação

Tereza é um projeto sem fins lucrativos que acolhe mulheres em situação de vulnerabilidade e vítimas de violência doméstica, além das ex-detentas que trabalham como colaboradoras na oficina no bairro do Rio Pequeno, na cidade de São Paulo.

A primeira linha dos produtos do negócio social foi desenvolvida a partir de um projeto de capacitação para mulheres encarceradas na Penitenciária Feminina 2 de Tremembé, no interior paulista.

  • Patricia Santos

    Jornalista, poeta, fotógrafa e vídeomaker. Moradora do Jardim São Luis, zona sul de São Paulo, apaixonada por conversas sobre territórios, arte periférica e séries investigativas.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano