Pesquisar
Close this search box.

Negros são a maior parte dos desaparecidos e os menos encontrados

Comissão do Senado debateu o tema, buscando aperfeiçoar ferramentas na busca de pessoas desaparecidas
O Banco Nacional de DNA é uma ferramenta valiosa para encontrar pessoas desaparecidas, mas ainda é muito limitada no Brasil.

Foto: Reprodução/ Cesec

5 de julho de 2024

No Brasil, 54,3% das pessoas desaparecidas são negras, mas apenas 45,1% são encontradas. Já a maioria dos encontrados é da cor branca, cerca de 54,1%, de acordo com dados da Universidade São Paulo (USP).

Segundo informações da Agência Senado, os desafios em localizar pessoas desaparecidas estão intimamente ligados à desigualdade social. Por isso, especialistas em direito e segurança pública defenderam nesta quinta-feira (4) a integração de bancos de dados de órgãos públicos como ferramenta essencial para esclarecer os casos.

Durante a audiência da Comissão de Segurança Pública (CSP) do Senado, que avalia a Política Nacional de Busca de Pessoas Desaparecidas, o defensor público-geral da União, Leonardo Cardoso de Magalhães, sugeriu o compartilhamento de dados mantidos por redes sociais, empresas de telefonia e cartórios para auxiliar na localização e na identificação.

“É muito importante que haja uma atuação rápida, célere e desburocratizada das diversas instituições do Estado brasileiro e a criação de bancos de dados unificados, que integrem informações de diferentes órgãos, para facilitar a localização e a identificação das vítimas”, destacou ele durante a audiência, que foi transmitida pela TV Senado.

A delegada Larissa Miranda, representante da Polícia Federal, reforçou a necessidade de integração. Segundo ela, apenas no primeiro semestre deste ano, a instituição recebeu 1.439 mil pedidos e enviou 746 informações sobre desaparecidos a unidades de Polícia Civil ao redor do país.

Ferramentas

O presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais, Willy Hauffe, comentou durante a audiência a necessidade de investir em instrumentos que possam ajudar a identificar pessoas desaparecidas. Segundo ele, o Banco Nacional de DNA, criado em 2012, é uma ferramenta valiosa, mas ainda é muito limitada no Brasil. 

“Nosso banco de dados tem apenas cerca de 200 mil amostras, o que é muito pouco em comparação ao banco de dados americano, que já ultrapassa os 15 milhões. É fundamental que sejam feitos esforços para ampliar esse banco e coletar mais dados”, alertou Hauffe.

Existem ferramentas disponíveis para ajudar a encontrar pessoas desaparecidas, como a iniciativa da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) que envia alertas nos feeds do Facebook e do Instagram quando uma criança ou adolescente desaparece. 

Além disso, o Sistema Nacional de Localização e Identificação de Desaparecidos (Sinalid) desenvolvido pelo Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União (CNPG) já compartilhou mais de 100 mil registros sobre desaparecimentos com mais de 2,5 mil órgãos públicos do país.

  • Caroline Nunes

    Jornalista, pós-graduada em Linguística, com MBA em Comunicação e Marketing. Candomblecista, membro da diretoria de ONG que protege mulheres caiçaras, escreve sobre violência de gênero, religiões de matriz africana e comportamento.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano

Na ONU, Brasil reafirma compromisso com a pauta racial no combate à violência

Mais de 80% dos modelos de campanhas publicitárias brasileiras são brancos, aponta estudo

O Quilombo

Aprovação do Dia Nacional do Funk é marco contra marginalização

Independência, liberdade e escravidão na Argentina

Clima e Meio Ambiente

Programa capacita lideranças das periferias do Rio para debates sobre questão climática

Território brasileiro pegou fogo em um a cada quatro hectares nos últimos 40 anos