Pesquisar
Close this search box.

Uefa investiga cantos racistas na abertura da Euro 2024

Não é a primeira vez que a torcida da Sérvia é acusada ou punida por atos discriminatórios
O gol inglês, que desencadeou o racismo da torcida sérvia, garantiu a vitória da Inglaterra e foi marcado pelo jogador negro Jude Bellingham.

Foto: Reprodução/AFP

19 de junho de 2024

A Uefa (União das Associações Europeias de Futebol) investiga denúncias de cantos racistas e discriminatórios por parte de torcedores sérvios durante a vitória da Inglaterra por 1 a 0 na abertura da Eurocopa 2024, em Gelsenkirchen, na Alemanha.

Os jogadores ingleses foram vítimas de ofensas racistas e xenofóbicas, enquanto a federação de futebol do Kosovo denunciou à Uefa bandeiras, cantos e faixas com mensagens políticas e racistas contra o Kosovo. O gol que garantiu a vitória da Inglaterra foi marcado pelo jogador negro Jude Bellingham.

A Uefa afirmou que a investigação deve levar algumas semanas para ser concluída, mas se comprovado, haverá punições. Além disso, a torcida da Sérvia também foi acusada de lançar objetos no estádio durante a partida e exibir uma faixa com uma mensagem racista e provocativa.

Essa não é a primeira vez que a Sérvia é acusada de abusos racistas. Em uma partida anterior, a Sérvia foi obrigada a jogar em um estádio parcialmente fechado devido a abusos racistas contra Montenegro.

O Observatório da Discriminação Racial do Futebol destacou que a denúncia envolvendo os torcedores sérvios durante a Eurocopa 2024 salienta a persistência do racismo dentro do esporte.

“A Uefa está empenhada em combater tais comportamentos e tomou medidas para investigar e punir os responsáveis. Enquanto o esporte deve ser um ambiente de respeito e inclusão, infelizmente, casos como esses continuam a surgir, lembrando-nos da necessidade contínua de educação e conscientização”, disse o órgão.

A Uefa tem a responsabilidade de garantir que tais incidentes sejam tratados com seriedade e que medidas eficazes sejam tomadas para evitar sua recorrência, ressalta o Observatório. 

“Além da questão racista e discriminatória, a presença de violência e confrontos entre torcedores antes do jogo também é preocupante. A segurança dos jogadores e torcedores deve ser uma prioridade máxima em eventos esportivos, e incidentes como esses podem ter consequências graves para a reputação do futebol e a segurança dos envolvidos”, finaliza o Observatório.

  • Caroline Nunes

    Jornalista, pós-graduada em Linguística, com MBA em Comunicação e Marketing. Candomblecista, membro da diretoria de ONG que protege mulheres caiçaras, escreve sobre violência de gênero, religiões de matriz africana e comportamento.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano

Na ONU, Brasil reafirma compromisso com a pauta racial no combate à violência

Mais de 80% dos modelos de campanhas publicitárias brasileiras são brancos, aponta estudo

O Quilombo

Aprovação do Dia Nacional do Funk é marco contra marginalização

Independência, liberdade e escravidão na Argentina

Clima e Meio Ambiente

Programa capacita lideranças das periferias do Rio para debates sobre questão climática

Território brasileiro pegou fogo em um a cada quatro hectares nos últimos 40 anos