Pesquisar
Close this search box.

Conceição Evaristo: ‘As criações populares são o lugar onde se cria a utopia’

Brasil foi convidado de honra em painel que celebra ancestralidade na literatura brasileira
Conceição Evaristo e o rapper Emicida durante o painel “É tudo pra ontem: a criação literária de Conceição e Evaristo e Emicida”, em Havana

Foto: Juliana Uepa / MinC

19 de fevereiro de 2024

A 32º Feira Internacional do Livro de Havana (FILH), em Cuba, recebeu no sábado (17) o rapper Emicida e a escritora mineira Conceição Evaristo para discutir a ancestralidade e a riqueza das culturas populares na literatura brasileira. No evento, o Brasil ocupou o posto de convidado de honra da Feira.

O painel nomeado de “É tudo pra ontem: a criação literária de Conceição e Evaristo e Emicida” integra a programação do evento, com a participação de Fabiano Piúba, secretário do Livro e Leitura do Ministério da Cultura (MinC).

Eleita como imortal da Academia Mineira de Letras na semana passada, Conceição compartilhou passagens de sua vida para pontuar questões de raça e gênero.

“Rap, literatura, samba, as criações populares, são o lugar onde se cria a utopia. Carnaval é um espaço onde se cria utopia. A utopia não nasce. Eu até ousaria dizer que, no campo acadêmico, é muito fácil criar utopias vazias, talvez quem crie ‘a’ utopia é o povo”, comentou a autora durante o evento.

Já Emicida frisou a importância do interesse das novas gerações na produção literária brasileira. “Precisamos nos concentrar nos porquês, e me parece que os livros são um acervo infinito de porquês”.

A delegação brasileira contou com outros 13 nomes da literatura nacional, entre eles, Ailton Krenak, Eliana Alves Cruz e Elisa Lucinda. Ao todo, mais de 40 países participaram da FILH.

Ao final do evento, ambos países assinaram um memorando de cooperação entre as Bibliotecas Nacionais para trocas no campo de acervo, memória e repertório.

  • Verônica Serpa

    Graduanda de Jornalismo pela UNESP e caiçara do litoral norte de SP. Acredito na comunicação como forma de emancipação para populações tradicionais e marginalizadas. Apaixonada por fotografia, gastronomia e hip-hop.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano