Olimpíadas 2024

Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

MST lança campanha em solidariedade às crianças do movimento sem terra no RS

Movimento contabiliza 420 famílias afetadas pelos alagamentos no estado gaúcho
Imagem mostra crianças Sem Terrinha segurando a bandeira do MST.

Foto: MST

22 de junho de 2024

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) iniciou uma campanha em solidariedade às crianças de assentamentos e acampamentos de reforma agrária, vítimas de enchentes no Rio Grande do Sul.

O objetivo é arrecadar doações de materiais escolares, roupas diversas, itens de higiene pessoal, brinquedos, livros de literatura e outros materiais para os “Sem Terrinha”, as crianças filhas de famílias que lutam pelo direito à terra.

A campanha também é uma ferramenta de denúncia ao modelo de produção do agronegócio, que tem avançado contra os biomas brasileiros com o desmatamento das florestas, queimadas, extinção de animais e poluição de rios. 

“Fruto desse projeto, as mudanças climáticas têm acelerado, causando eventos climáticos extremos, como as fortes chuvas e enchentes no Rio Grande do Sul no último mês. Segundo informações da Defesa Civil estadual, foram registradas 175 mortes no total e há 38 pessoas desaparecidas”, ressalta a organização em nota

A publicação reforça que as famílias Sem Terra que vivem no estado também perderam suas casas e escolas devido às enchentes, além disso, mais de dez mil crianças e adolescentes estão em abrigos. 

O movimento contabiliza que 420 famílias dos Assentamentos Integração Gaúcha (IRGA) e Colônia Nonoaiense (IPZ), em Eldorado do Sul; Santa Rita de Cássia e Sino, em Nova Santa Rita; 19 de Setembro, em Guaíba e Tempo Novo, em Taquari, foram afetadas pelos alagamentos.

Valter Leite, da direção nacional do MST pelo setor de educação, explica que neste cenário, a Campanha de Solidariedade Sem Terrinha faz parte das ações gerais construídas pelo Movimento no estado.

“Temos a solidariedade como um valor e um ato humano que é cultivado permanentemente pelo MST e seu exercício real assume um caráter formativo e humanizador. E nós acreditamos, que esse sentimento, esse princípio, esse valor, esse ato humano, só é possível entre sujeitos que estão com disposição de lutar pela justiça social”.

Para participar da campanha, basta fazer as doações nos pontos de coleta do MST espalhados por todo o país.

  • Mariane Barbosa

    Curiosa por vocação, é movida pela paixão por música, fotografia e diferentes culturas. Já trabalhou com esporte, tecnologia e América Latina, tema em que descobriu o poder da comunicação como ferramenta de defesa dos direitos humanos, princípio que leva em seu jornalismo antirracista e LGBTQIA+.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano